Rádio Observador

Estivadores

Sindicato dos estivadores recusa reunir esta sexta com ministra do Mar no Porto de Leixões

O Sindicato dos Estivadores Conferentes e Tráfego dos Portos do Douro e Leixões recusa-se a comparecer na reunião desta sexta-feira com a ministra do Mar, em Matosinhos.

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O Sindicato dos Estivadores Conferentes e Tráfego dos Portos do Douro e Leixões recusa-se a comparecer na reunião desta sexta-feira com a ministra do Mar, em Matosinhos, que diz servir para tentar um acordo com outro sindicato.

Numa carta dirigida à presidente da Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL), Guilhermina Rego, aquele sindicato garante que não estará na reunião em que participarão a ministra Ana Paula Vitorino e membros do Sindicato dos Estivadores e da Atividade Logística (SEAL).

Após uma reunião em que as conclusões anunciadas foram deliberadas por “unanimidade”, aquele sindicato afirmou “repudiar qualquer tentativa política de consagrar [o presidente do SEAL, António] Mariano como interlocutor dos trabalhadores deste porto”. Recusa ainda que o SEAL seja “parceiro social” no que toca ao Porto de Leixões.

Na mesma carta, dão ainda conta da sua repulsa por “qualquer tentativa política e individual de quebrar a coesão da estrutura federativa nacional em que o sindicato se integra”.”O nosso sindicato defende e promove a livre filiação e não acredita em monopólios sindicais, nem do nosso sindicato nem [em] nenhum da federação a que presido”, afirmou o representante dos estivadores do Norte, Aristides Peixoto, quarta-feira na audição da comissão parlamentar de Trabalho e Segurança Social, a pedido do Bloco de Esquerda (BE).

Lembrando terem “convidado em agosto, a ministra do Mar a visitar o Porto de Leixões”, mas que a visita foi “sendo sucessivamente adiada para agora ganhar este incompreensível formato”, aquele sindicato acha, na carta, incompreensível este comportamento, frisando “representar a quase totalidade dos estivadores de Leixões” e ser “o único sindicato de Leixões que tem uma convenção coletiva acordada com as empresas de estiva”.

A carta prossegue com o sindicato a enfatizar o ter assegurado “aumentos de 4% para este ano” e “melhorias de condições” nos “últimos 23 anos consecutivos”, algo sem paralelo “em qualquer outro porto representado pelo SEAL”, vincando ainda que o porto de Leixões “nunca deixou de funcionar” enquanto “tantos outros portos do país estão paralisados ou continuam massacrados por greves sucessivas”.

Perante isto, lamentam que a governante “em vez de levar o sucesso de Leixões para o país”, se proponha a “trazer os problemas do resto do país para Leixões”.

Assumindo-se como “homens livres” que escolhem “com quem se sentam à mesa”, os sindicalistas recusam-se a dialogar com o “senhor Mariano” de quem dizem “faz da intimidação física método negocial”, acusando-o ainda de “prejudicar a sua classe, os seus colegas, o seu setor e o seu país”.

Desagradados por o líder do SAEL ser recebido na APDL, consideram essa atitude “cúmplice dos métodos, objetivos e dos crimes que têm sido cometidos”.

“É uma manifestação de temor”, conclui o sindicato, defendendo que o porto de Leixões “não pode nem será confundido com estas realidades” nem usado como “moeda de troca nas negociações políticas de um ministro”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)