Rádio Observador

Timor-Leste

Agricultores timorenses participam em formação sobre cultivo da pitaia (fruta dragão)

Agricultores timorenses aprenderam sobre o cultivo da pitaia, ou fruta dragão, uma alternativa para responder ao impacto das alterações climáticas e ajudar a aumentar o rendimento dos produtores.

KITH SEREY/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Agricultores timorenses participaram esta semana num seminário sobre o cultivo da pitaia, ou fruta dragão, uma alternativa para responder ao impacto das alterações climáticas e ajudar a aumentar o rendimento dos produtores.

O 2.º Encontro Nacional de Produtores de Pitaia, que decorreu na vila de Loes, em Liquiçá, a oeste de Díli, foi promovido pelo Ministério da Agricultura e Pescas de Timor-Leste, com o apoio do Instituto Camões, no âmbito das atividades Programa de Apoio à Aliança Global contra as Alterações Climáticas (GCCA-TL na sigla em Inglês), que é financiado pela União Europeia.

“Com a iniciativa de promover o cultivo da pitaia, procuramos estabelecer uma cintura de produção desta fruta [na zona], procurando atrair potenciais compradores e, assim, aumentar a produção de fruta em Timor-Leste e o rendimento das famílias”, explicou Hugo Miguel Trindade, coordenador geral do programa.

Trindade sublinha que a pítia ajuda igualmente a reforçar a capacidade de enfrentar os efeitos das alterações climáticas em Timor-Leste, um dos países onde já se começa a sentir esse impacto.

A pitaia (termo que significa fruta escamosa) é a fruta de várias espécies de catos epífitos, que vivem sobre outra, utilizando-as como apoio, mas sem dela retirar nutrientes e sem estabelecer contacto com o solo.

O coordenador técnico do programa em Liquiçá, Moisés Cruz, explicou que a iniciativa começou naquela região em 2015, com cinco plantações piloto, muitas das quais já estão em fase avançada de produção.

Um dos maiores produtores da zona é José Adilson Ribeiro, que tem já mais de duas mil plantas.

“Tenho 700 postes e em cada um três plantas. São mais de duas mil plantas e estamos a vender a supermercados”, referiu ainda.

O encontro desta semana incluiu uma oficina técnica e visitas de campo com o objetivo de demonstrar técnicas para a melhoria e sustentabilidade do cultivo desta fruta em pomares familiares.

Participam mais de 200 pessoas, entre os quais 80 produtores de pitaia apoiados pelo GCCA, diretores municipais de Agricultura de Liquiçá e Ermera, e as respetivas equipas técnicas, assim como estudantes de agricultura e representantes de algumas organizações locais ligadas à temática, informou o programa em comunicado.

A organização do encontro teve a colaboração de duas empresas locais com atividade no setor agrícola (Britas Lda. e Agropro Corporation Lda.), que iniciaram e têm vindo a intensificar a sua atividade de produção de pitaia, “com recurso a investimento próprio, inspiradas no modelo e técnicas de cultivo implementado e demonstrado pela equipa do GCCA”.

Mais de 75 plantações familiares estão já a operar na zona de Loes.

A atividade, de acordo com comunicado divulgado pelo Instituto Camões, “constitui parte da estratégia de apoio à diversificação da produção agroflorestal, por meio de cultivos adaptados e resilientes, e criação de rendimento para produtores locais, inseridos na bacia hidrográfica da ribeira de Loes”.

O objetivo é “dotar as comunidades de mais recursos e consequentemente de maior capacidade para lidar com os efeitos das alterações climáticas”.

O GCCA é um programa temático da União Europeia, criado em 2007, para reforçar o diálogo e cooperação com países parceiros em desenvolvimento, em particular países menos desenvolvimentos (LDC) e pequenos estados insulares (SIDS).

Em Timor-Leste o programa é administrado pelo Camões e pela GIZ (cooperação alemã).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)