Timor-Leste

Agricultores timorenses participam em formação sobre cultivo da pitaia (fruta dragão)

Agricultores timorenses aprenderam sobre o cultivo da pitaia, ou fruta dragão, uma alternativa para responder ao impacto das alterações climáticas e ajudar a aumentar o rendimento dos produtores.

KITH SEREY/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Agricultores timorenses participaram esta semana num seminário sobre o cultivo da pitaia, ou fruta dragão, uma alternativa para responder ao impacto das alterações climáticas e ajudar a aumentar o rendimento dos produtores.

O 2.º Encontro Nacional de Produtores de Pitaia, que decorreu na vila de Loes, em Liquiçá, a oeste de Díli, foi promovido pelo Ministério da Agricultura e Pescas de Timor-Leste, com o apoio do Instituto Camões, no âmbito das atividades Programa de Apoio à Aliança Global contra as Alterações Climáticas (GCCA-TL na sigla em Inglês), que é financiado pela União Europeia.

“Com a iniciativa de promover o cultivo da pitaia, procuramos estabelecer uma cintura de produção desta fruta [na zona], procurando atrair potenciais compradores e, assim, aumentar a produção de fruta em Timor-Leste e o rendimento das famílias”, explicou Hugo Miguel Trindade, coordenador geral do programa.

Trindade sublinha que a pítia ajuda igualmente a reforçar a capacidade de enfrentar os efeitos das alterações climáticas em Timor-Leste, um dos países onde já se começa a sentir esse impacto.

A pitaia (termo que significa fruta escamosa) é a fruta de várias espécies de catos epífitos, que vivem sobre outra, utilizando-as como apoio, mas sem dela retirar nutrientes e sem estabelecer contacto com o solo.

O coordenador técnico do programa em Liquiçá, Moisés Cruz, explicou que a iniciativa começou naquela região em 2015, com cinco plantações piloto, muitas das quais já estão em fase avançada de produção.

Um dos maiores produtores da zona é José Adilson Ribeiro, que tem já mais de duas mil plantas.

“Tenho 700 postes e em cada um três plantas. São mais de duas mil plantas e estamos a vender a supermercados”, referiu ainda.

O encontro desta semana incluiu uma oficina técnica e visitas de campo com o objetivo de demonstrar técnicas para a melhoria e sustentabilidade do cultivo desta fruta em pomares familiares.

Participam mais de 200 pessoas, entre os quais 80 produtores de pitaia apoiados pelo GCCA, diretores municipais de Agricultura de Liquiçá e Ermera, e as respetivas equipas técnicas, assim como estudantes de agricultura e representantes de algumas organizações locais ligadas à temática, informou o programa em comunicado.

A organização do encontro teve a colaboração de duas empresas locais com atividade no setor agrícola (Britas Lda. e Agropro Corporation Lda.), que iniciaram e têm vindo a intensificar a sua atividade de produção de pitaia, “com recurso a investimento próprio, inspiradas no modelo e técnicas de cultivo implementado e demonstrado pela equipa do GCCA”.

Mais de 75 plantações familiares estão já a operar na zona de Loes.

A atividade, de acordo com comunicado divulgado pelo Instituto Camões, “constitui parte da estratégia de apoio à diversificação da produção agroflorestal, por meio de cultivos adaptados e resilientes, e criação de rendimento para produtores locais, inseridos na bacia hidrográfica da ribeira de Loes”.

O objetivo é “dotar as comunidades de mais recursos e consequentemente de maior capacidade para lidar com os efeitos das alterações climáticas”.

O GCCA é um programa temático da União Europeia, criado em 2007, para reforçar o diálogo e cooperação com países parceiros em desenvolvimento, em particular países menos desenvolvimentos (LDC) e pequenos estados insulares (SIDS).

Em Timor-Leste o programa é administrado pelo Camões e pela GIZ (cooperação alemã).

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Civilização

A evidência é desprezada?

António Cruz Gomes

Ainda que nascidos transitórios – para viver no mundo, com o mundo e pelo mundo – fomos indelevelmente marcados por uma aspiração transcendental.

Civilização

A evidência é desprezada?

António Cruz Gomes

Ainda que nascidos transitórios – para viver no mundo, com o mundo e pelo mundo – fomos indelevelmente marcados por uma aspiração transcendental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)