MotoGP

Miguel Oliveira sobe ao terceiro lugar no Japão após desqualificação de Quartararo (mas isso é uma má notícia)

Miguel Oliveira terminou GP do Japão no quarto lugar mas desqualificação do vencedor Quartararo levou-o a terceiro. No entanto, essa foi uma má notícia – a desvantagem para Bagnaia aumentou.

Miguel Oliveira subiu de nono para terceiro lugar no GP do Japão mas voltou a perder terreno para Francesco Bagnaia

Getty Images

No final da corrida, enquanto as câmaras iam acompanhando as manifestações de completo êxtase de Fabio Quartararo pela vitória no Grande Prémio do Japão em Moto 2 (segunda no Mundial, depois da Catalunha), Miguel Oliveira ia trocando palavras com alguns elementos da KTM nas boxes. E no preciso momento em que as imagens passaram por si, o português parecia estar a explicar com gestos aquilo que estaria menos bem na mota, como que a abordar a questão das travagens. Esse acabou por ser o grande problema do piloto este fim de semana, como o próprio admitiu depois da qualificação.

“Conseguimos melhorar o tempo feito nos treinos livres. Trabalhámos muito com o depósito cheio mas, na qualificação, ainda sentimos dificuldades em parar a mota nas travagens. Tem sido um problema constante, a equipa está a trabalhar para resolver esse problema. A pista de Motegi tem muitas travagens fortes e pontos de ultrapassagens. Vai ser uma corrida em recuperação. Aposto em fazer um bom arranque, recuperar posições e depois conseguir o melhor resultado possível”, destacava Miguel Oliveira após o nono lugar na grelha, ainda com esperança de ter soluções novas no warm up.

Se houve melhorias, não foram sintomáticas ao ponto de colocar o português na luta pelo pódio, acabando a prova em quarto lugar. No entanto, a desqualificação de Quartararo devido à pressão dos pneus acabou por provocar uma subida ao terceiro posto. O que, contas feitas, acabou por ser mau para o português: Francesco Bagnaia, o grande (ou único) adversário na luta pelo Mundial de Moto 2, somou os 25 pontos do triunfo, aumentando assim a diferença na liderança. Lorenzo Baldassarri, companheiro de equipa de Pecco na Kalex, tinha fechado o pódio na corrida mas também subiu à segunda posição.

Contas feitas, Miguel Oliveira passou a somar 247 pontos no Mundial de Moto 2, menos 37 do que o líder Francesco Bagnaia que, desde o triunfo do português na Rep. Checa que lhe valeu então a primeira liderança de sempre do Campeonato, tem vindo a ganhar avanço em relação ao piloto da KTM (cinco corridas: Áustria, São Marino, Aragão, Tailândia e Japão). Já no próximo fim de semana, também no domingo, haverá a antepenúltima prova de 2018, na Austrália, seguindo-se Malásia (4 de novembro) e Valência (18 de novembro). E até pode haver já campeão como aconteceu no principal escalão em solo nipónico, com Marc Márquez a garantir o pentacampeonato de Moto GP.

Notícia atualizada depois da decisão por parte dos comissários em desqualificar Quartararo 

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)