Rádio Observador

Neurociência

A ilusão ótica que desafia o cérebro: o que (realmente) vê nesta imagem?

565

Alice Proverbio, neurocientista e psicóloga na Universidade Milano-Bicocca, em Itália, testa os cibernautas com uma nova ilusão ótica. Veja a imagem e descubra que efeito tem sobre si.

Por vezes, o cérebro engana e dá-nos perspetivas diferentes do que observamos: aquilo a que chamamos ilusões ópticas. Foi precisamente isso que Alice Proverbio, neurocientista e psicóloga na Universidade Milano-Bicocca, em Itália, se propôs a testar. A cientista, que se dedica ao estudo do cérebro, testou os cibernautas através da partilha de uma imagem no Twitter.

A imagem foi desenhada por Beau Deeby e pretende testar o colapso do nosso sistema de perceção. O desenho, apesar de estático, transmite a ideia de movimento. Este colapso deve-se ao córtex visual do cérebro, zona responsável pelo processamento de como vemos. É aqui que se encontra o setor que processa o movimento (conhecido como V5 ou MS) e o setor responsável pelo processamento da cor e da forma (o V5). Como explica Alice Proverbio, os neurónios V4 estão tão saturados que a velocidade a que viajam os neurónios MT são interpretados como um sinal sensorial.

O mesmo sucede quando o córtex visual recebe um sinal alterado. Nesse caso, ativam-se outros processos e elementos que mudam a forma como o cérebro processa a informação. Qualquer variação, inclusivamente no modo ou distância em que se observa esta ilusão, poderá alterar a forma como uma pessoa vê as imagens, refere o jornal ABC.

“Basicamente representa um exemplo da competição no córtex visual. Sempre que um sinal é atenuado ou suprimido outros inputs têm a oportunidade de serem representados a níveis cognitivos mais elevados”, acrescenta a psicóloga.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Alterações Climáticas

A lei do EROI /premium

Marco Robalo

Ouvimos muito falar na esperança em tecnologias, mas este debate foge da realidade e concentra-se em ideias de ficção científica, pois ninguém sabe como resolver as necessidades de consumo instaladas.

Universidade de Coimbra

Fraca carne

Henrique Pereira dos Santos

Substituir carne por peixe (ou por vegetais), sem saber de que sistemas de produção (e de que ciência) estamos a falar é completamente vazio do ponto de vista da sustentabilidade ambiental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)