Rádio Observador

Furacão

Furacão Willa é “raro” e “catastrófico”. Chega ao México esta terça-feira

365

Um furacão de categoria 5 chega ao México esta terça-feira com ventos de até 260 km/h. Willa pode ser o mais forte a atingir a costa mexicana do Pacífico. É "potencialmente catastrófico".

NHC/ NOAA

Há um furacão de categoria 5, com ventos sustentados de 260 quilómetros por hora e rajadas de até 315 quilómetros por hora a caminho da costa mexicana do Pacífico. O Centro Nacional de Furacões norte-americano diz que o Willa é “um furacão extremamente impressionante”, “raro” e “potencialmente catastrófico” que deve chegar a terras mexicanas já a partir desta terça-feira: “Espera-se uma tempestade potencialmente fatal na terça-feira nas costas da Isla Marias e oeste-centro e sudoeste México perto do caminho do Willa. Os moradores devem apressar os preparativos para proteger a vida e as suas propriedades e seguir qualquer conselho dada pelas autoridades locais”, avisam.

Quatro mil pessoas já foram retiradas de casa nos municípios de Acaponeta, Del Nayar, Huajicori, Tecuala, Tuxpan, San Blas e Santiago Ixcuintla. Espera-se que, ao aproximar-se da costa do México, o furacão baixe para a categoria 4 e entre no país algures entre a praia Perula (em Jalisco) e a baía Tempehuya (em Sinaloa) já como furacão de categoria 2. O Willa deve depois prosseguir por um percurso para norte e passar a depressão tropical entre Durango e Nuevo León.

Apesar disso, a intensidade do furacão Willa já levou os meteorologistas a adjetivarem-no de “explosivo”. Neste momento, ele é mais potente do que o furacão Michael quando entrou na Língua de Terra da Flórida, nos Estados Unidos. Em 24 horas, entre a manhã de domingo e a manhã desta segunda-feira, os ventos sustentados aceleraram 130 quilómetros por hora. E em 48 horas, desde sábado de manhã até agora, passou de uma simples depressão tropical no oceano Pacífico a um furacão de categoria 5 com pressões atmosféricas de 925 milibares.

Neste momento, o furacão Willa está 280 quilómetros a sudoeste de Puerto Vallarta e move-se a uma velocidade de 11 quilómetros por hora. Agora que se dirigiu para a direita, ameaçando o México, este furacão pode ser o mais forte alguma vez a atingir o país. E pode haver outro logo atrás a caminho do México: na terça-feira à noite ou quarta-feira de manhã, a tempestade tropical Vicente pode entrar pelo país numa localização a 402 quilómetros.

Furacões nascidos no Pacífico com esta intensidade são raros, dizem os meteorologistas. Antes deste, o furacão Patrícia também passou de categoria 5 para a categoria 4, embora os ventos sustentados tenham chegado aos 315 quilómetros por hora. Foi o furacão ou tufão mais forte alguma vez registado no planeta. Este ano, no entanto, pode bater recordes: 2018 já viu o nascimento de 10 grandes furacões, igualando a contagem de 1992. E a equação de “Energia Ciclónica Acumulada”, que combina o número de tempestades num ano com a intensidade delas ao longo do tempo, indica que esta época é a mais ativa de sempre.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)