Furacão

Furacão Willa é “raro” e “catastrófico”. Chega ao México esta terça-feira

365

Um furacão de categoria 5 chega ao México esta terça-feira com ventos de até 260 km/h. Willa pode ser o mais forte a atingir a costa mexicana do Pacífico. É "potencialmente catastrófico".

NHC/ NOAA

Há um furacão de categoria 5, com ventos sustentados de 260 quilómetros por hora e rajadas de até 315 quilómetros por hora a caminho da costa mexicana do Pacífico. O Centro Nacional de Furacões norte-americano diz que o Willa é “um furacão extremamente impressionante”, “raro” e “potencialmente catastrófico” que deve chegar a terras mexicanas já a partir desta terça-feira: “Espera-se uma tempestade potencialmente fatal na terça-feira nas costas da Isla Marias e oeste-centro e sudoeste México perto do caminho do Willa. Os moradores devem apressar os preparativos para proteger a vida e as suas propriedades e seguir qualquer conselho dada pelas autoridades locais”, avisam.

Quatro mil pessoas já foram retiradas de casa nos municípios de Acaponeta, Del Nayar, Huajicori, Tecuala, Tuxpan, San Blas e Santiago Ixcuintla. Espera-se que, ao aproximar-se da costa do México, o furacão baixe para a categoria 4 e entre no país algures entre a praia Perula (em Jalisco) e a baía Tempehuya (em Sinaloa) já como furacão de categoria 2. O Willa deve depois prosseguir por um percurso para norte e passar a depressão tropical entre Durango e Nuevo León.

Apesar disso, a intensidade do furacão Willa já levou os meteorologistas a adjetivarem-no de “explosivo”. Neste momento, ele é mais potente do que o furacão Michael quando entrou na Língua de Terra da Flórida, nos Estados Unidos. Em 24 horas, entre a manhã de domingo e a manhã desta segunda-feira, os ventos sustentados aceleraram 130 quilómetros por hora. E em 48 horas, desde sábado de manhã até agora, passou de uma simples depressão tropical no oceano Pacífico a um furacão de categoria 5 com pressões atmosféricas de 925 milibares.

Neste momento, o furacão Willa está 280 quilómetros a sudoeste de Puerto Vallarta e move-se a uma velocidade de 11 quilómetros por hora. Agora que se dirigiu para a direita, ameaçando o México, este furacão pode ser o mais forte alguma vez a atingir o país. E pode haver outro logo atrás a caminho do México: na terça-feira à noite ou quarta-feira de manhã, a tempestade tropical Vicente pode entrar pelo país numa localização a 402 quilómetros.

Furacões nascidos no Pacífico com esta intensidade são raros, dizem os meteorologistas. Antes deste, o furacão Patrícia também passou de categoria 5 para a categoria 4, embora os ventos sustentados tenham chegado aos 315 quilómetros por hora. Foi o furacão ou tufão mais forte alguma vez registado no planeta. Este ano, no entanto, pode bater recordes: 2018 já viu o nascimento de 10 grandes furacões, igualando a contagem de 1992. E a equação de “Energia Ciclónica Acumulada”, que combina o número de tempestades num ano com a intensidade delas ao longo do tempo, indica que esta época é a mais ativa de sempre.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Furacão

Pssst, dr. Costa. Houve um furacão no país /premium

Filomena Martins
800

Para quem faz da descentralização uma bandeira, ignorar uma catástrofe no centro do país revela além da insensibilidade genética outra verdade: que tudo são promessas lançadas (literalmente) ao vento.

Educação

Índices: orgulho e preconceito

João Araújo

Erradicar os índices seria levar a humanidade para a idade da pedra. Em algumas áreas (como na Educação) eles estão sob fogo cerrado, como sucede a tudo que exponha os seus embustes e maus resultados.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)