O “restauro” de um fresco por Cecilia Gimenez e o busto de Cristiano Ronaldo no aeroporto da Madeira — estas são algumas das mais polémicas representações artísticas dos últimos tempos. Ao que tudo indica, há uma nova candidata a figurar entre estes exemplos: A moeda comemorativa dos 1300 anos do Reino das Astúrias onde aparece a silhueta de Felipe VI e da sua primogénita, Leonor, a Princesa das Astúrias. Segundo o jornal El Español, a fonte da polémica não está tanto no perfil do Rei de Espanha mas sim no da sua filha. Na primeira efígie da Princesa… ninguém a consegue reconhecer.

No verso da moeda comemorativa é possível ver o perfil de Felipe e Leonor, sobrepostos, e quando a moeda foi apresentada pela primeira vez, no passado mês de junho, surgiram logo algumas críticas, precisamente por não parecer existir qualquer semelhança entre a Princesa e a sua representação.

As duas faces da moeda comemorativa.

A Fábrica Nacional de Moneda y Timbre (FNMT) previa cunhar um milhão destas novas moedas em prata e cobre. Esta escolha de metais deveu-se ao facto das suas cores, quando sobrepostas corretamente, formam a bandeira espanhola. A acompanhar todas elas aparece a legenda “13000 aniversario Reino de Asturias”.

O mesmo jornal espanhol ressalva ainda que este é mais um dos ainda poucos atos formais de Leonor, que aos poucos começa a entrar no circuito formal expectável aos membros da família Real. No passado dia oito de setembro, por exemplo, esteve em Covadonga, nas Astúrias, para a inauguração de um miradouro nos Picos da Europa que foi batizado em sua homenagem. Antes disso participou também na cerimónia protocolar onde o seu pai, Filipe VI, lhe atribui o Collar del Toisón de Oro.