Várias câmaras de vigilância espalhadas por Istambul captaram imagens de um homem que saiu do consulado da Arábia Saudita, no dia em que lá entrou o Jamal Khashoggi, vestido com as roupas do jornalista saudita, de acordo com as autoridades turcas que estão a investigar o caso. Khashoggi foi visto pela última vez a entrar nas instalações do consulado do seu país, a 2 de outubro. O homem que saiu com as roupas do jornalista, cuja morte já foi confirmada, faz parte da equipa de 15 pessoas que está a ser investigada pelo assassinato que Riade já confirmou ter acontecido dentro do consulado.

Os sapatos ajudaram a desmontar a história aparentemente montada para desviar responsabilidades sauditas na morte do jornalista crítico do regime no seu país de origem, a Arábia Saudita, concretamente do príncipe herdeiro, Mohammad bin Salman. As imagens divulgadas pela CNN, e que fazem parte da investigação levada a cabo pelas autoridades turcas, mostram Khashoggi a entrar no consulado, onde ia tratar de documentação de que necessitava para voltar a casar. A sua noiva aguardava no exterior, mas nunca o viu sair. As autoridades sauditas chegaram a dizer que teria saído pelas traseiras, mas quem realmente saiu por essa porta foi um homem, vestido com as roupas do jornalista, com barba e óculos semelhantes, mas sapatos diferentes. Os sapatos não são, no entanto, iguais. A sola branca faz notar a diferença, conforme é possível ver nas imagens agora divulgadas.

O homem que, à primeira vista, poder parecer Khashoggi, seria afinal um dos membros da equipa que agora está a ser investigada. Chama-se Mustafa al-Madani, e tem idade e estatura semelhante às do jornalista que escrevia para o Washington Post. Fonte das autoridades turcas citada pela CNN diz que Madani foi usado para agir como um duplo. “Este foi um assassinato premeditado e o corpo foi retirado do consulado”, diz a mesma fonte que ainda acrescenta que “as roupas de Khashoggi provavelmente ainda estavam quentes quando Madani as vestiu”.

Jamal Khashoggi, o jornalista que desapareceu sem deixar rasto: “O príncipe saudita quer pessoas como eu fora do seu caminho”

À CNN, fonte saudita não confirmou esta informação das autoridades turcas. No passado sábado, o porta-voz do partido Justiça e Desenvolvimento (AKP, o partido que está no poder) da Turquia fez saber que o país “vai revelar tudo o que se passou. Ninguém deverá ter a mínima dúvida sobre este ponto”. Omer Celik disse ainda que as autoridades turcas estão a realizar uma “investigação independente. Revelaremos as nossas conclusões. Esta é a vontade do Presidente” Erdogan, garantiu.

Nas imagens da investigação turca, Madani é visto a entrar com uma camisa aos quadrados no consulado, quatro horas antes de ter sido registado a sair com o mesmo blazer escuro e camisa branca aberta no colarinho, supostamente de Khashoggi. Noutras câmaras é filmado a deslocar-se para a Mesquita Azul, uma zona de Istambul geralmente muito movimentada, e depois disso a entrar numa casa de banho pública de onde sai já com a camisa aos quadrados com que entrou inicialmente no edifício do consulado saudita.