Wall Street

Wall Street fecha sem rumo, com recuo da energia e banca e ganhos da tecnologia

A bolsa nova-iorquina encerrou sem rumo definido, perante um recuo dos títulos do setor da energia e bancários e apesar de uma subida dos valores tecnológicos.

JUSTIN LANE/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A bolsa nova-iorquina encerrou esta segunda-feira sem rumo definido, perante um recuo dos títulos do setor da energia e bancários e apesar de uma subida dos valores tecnológicos, em contexto de volatilidade que continua elevada.

Os resultados definitivos da sessão indicam que o seletivo Dow Jones Industrial Average perdeu 0,50%, para os 25.317,41 pontos.

O tecnológico Nasdaq ganhou 0,26%, para as 7.468,63 unidades, ao contrário do alargado S&P500, que recuou 0,43%, para as 2.755,88.

As ações das empresas do setor da energia foram afetadas pela evolução errática das cotações do petróleo, bem como pelos resultados do grupo de serviços petrolíferos Halliburton, que fechou em perda de 3,04%.

A empresa divulgou o que considerou ser uma procura “fraca” da América do Norte, devido a um aperto dos orçamentos das empresas clientes.

Os valores financeiros também pesaram sobre as cotações, à semelhança do JPMorgan Chase, que perdeu 1,44%, Bank of America, que recuou 3,32%, e do Goldman Sachs, que desvalorizou 2,36%.

Tal como na semana passada, a sessão em Wall Street foi marcada por uma volatilidade elevada.

“O mercado não vai a parte alguma. As incertezas sobre a relação norte-americana com a Arábia Saudita e o ambiente de nervosismo antes das eleições norte-americanas do meio do mandato [presidencial] jogam claramente contra Wall Street”, realçou Peter Cardillo, da Spartan Capital.

A indefinição que reina sobre as eleições legislativas norte-americanas, bem como sobre o futuro de algumas reformas, não incita à assunção de riscos, o que levou Maris Ogg, da Tower Bridge Advisor, a prever que “o mercado vai recuperar depois destas eleições”.

Não obstante, os valores tecnológicos conseguiram fechar bem o dia, com a Apple, que valorizou 0,61%, a Twitter, que ganhou 1,21%, e a Facebook, que ganhou 0,47%.

A praça nova-iorquina também contou com uma progressão muito acentuada das bolsas chinesas, num dia em que as autoridades anunciaram mais medidas fiscais destinadas a tranquilizar os investidores, depois de uma redução do crescimento no terceiro trimestre.

“É, evidentemente, uma vantagem para os Estados Unidos da América verem-se uma opção por estímulos num país com a dimensão da China”, considerou Ogg.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)