Saúde

Falhas nas farmácias deixam 45 milhões de medicamentos em falta

183

Nos primeiros nove meses do ano, faltaram 45 milhões de medicamentos nas farmácias portuguesas, o que corresponde a um aumento de 28% face ao período homólogo no ano passado.

MARIO CRUZ/LUSA

Ao todo, foram 45,1 milhões de medicamentos que faltaram nas farmácias do país — muitos dos quais receitados pelos médicos e alguns considerados essenciais pela Organização Mundial de Saúde. As falhas correspondem a um aumento de 28% face ao mesmo período de 2017, nos primeiros nove meses deste ano, como avança o Jornal de Notícias, na edição desta terça-feira.

Por falta de liquidez e porque o abastecimento do mercado é irregular, as ruturas de stock nas prateleiras são cada vez mais frequentes, sendo que as farmácias têm dificuldades crescentes em responder às necessidades dos doentes no momento, que acabam por ter de fazer várias deslocações para comprar os medicamentos que o médico receitou.

Este é um problema que afeta todo o tipo de medicamentos, sejam de marca ou genéricos. Só em setembro, foram reportadas cerca de 6,3 milhões de embalagens em falta (mais 42% do que em setembro de 2017) por 1.949 farmácias, segundo o último relatório do Observatório dos Medicamentos em Falta do Centro de Estudos e Avaliação em Saúde (Cefar) da Associação Nacional das Farmárcias (ANF).

Mas, para compensar as ruturas de stock, a substituição de embalagens tem de ser feita; essa alternativa traz consigo alguns inconvenientes, como o transtorno das viagens à farmácia e o risco de confusão na toma do medicamento. Segundo Luís Martins, diretor do Serviço de Cardiologia do Centro Hospitalar de Entre Douro e Vouga, são situações que poderiam ser evitadas, caso o sistema de prescrição eletrónica de medicamentos alertasse os médicos para as faltas no momento em que estão a passar a receita.

Além disso, registaram-se 277 mil faltas em setembro do Sinemet, medicamento para tratamento da doença de Parkinson, o que provocou bastante angústia nos doentes. Neste sentido, o Infarmed dedicou prioridade máxima ao caso e garantiu que o mercado está a ser abastecido com alternativas.

Por sua vez, a presidente do Infarmed, Maria do Céu Machado, afirmou numa conferência de imprensa realizada em setembro que “a interrupção do tratamento pode ser ainda mais grave do que a própria doença”, garantindo assim que não haveria falhas de tratamento em Portugal.

Recorde-se que o Infarmed recebe, em média, por semana a notificação de 30 ruturas de curta duração, seis de impacto médio e outras seis de impacto elevado.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
ADSE

A saúde é um negócio

Luis Teixeira
152

Não há nenhuma evidência de que impedir organizações privadas na saúde melhore os cuidados. Pelo contrário: o monopólio estatal traduz-se geralmente em iniquidade, desperdício e nepotismo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)