Rádio Observador

Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo e José Alberto Carvalho defendem importância do jornalismo para a democracia

122

Marcelo Rebelo de Sousa, e o jornalista José Alberto Carvalho, da TVI, defenderam perante alunos do ensino secundário de Mação, de Lisboa e do Porto a importância do jornalismo para a democracia.

JOSE SENA GOULAO/LUSA

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o jornalista José Alberto Carvalho, da TVI, defenderam esta terça-feira perante alunos do ensino secundário de Mação, de Lisboa e do Porto a importância do jornalismo para a democracia.

No início da primeira sessão do programa “Jornalistas no Palácio de Belém”, que decorrerá uma vez por semana, até meados de dezembro, com nove convidados da comunicação social televisiva, radiofónica e escrita e estudantes de todo o país, o chefe de Estado fez uma pequena introdução sobre os objetivos desta iniciativa.

Marcelo Rebelo de Sousa esteve desde jovem ligado à comunicação social, como articulista, em cargos de direção ou como comentador, e enquanto Presidente da República tem expressado preocupação com as dificuldades do jornalismo em Portugal.

“O primeiro objetivo é virem a ser jornalistas. Aí o José Alberto Carvalho vos explicará que há situações no mercado que são mais apelativas e menos apelativas, têm de fazer pela vida, provavelmente, para serem jornalistas. A segunda hipótese é não serem jornalistas, mas perceberem o papel da comunicação social na vossa vida presente e futura, nomeadamente profissional”, elencou.

Dirigindo-se aos cerca de 70 alunos presentes na sala, o Presidente da República completou: “A terceira, e a mais simples de tudo e a mais complicada, é serem bons cidadãos ou cidadãs – isto é, façam o que fizerem, perceberem que esta componente é uma componente essencial numa democracia”.

“Em democracia, é muito importante perceber o peso da comunicação social e saber lidar com a comunicação social. Eu agradeço ao José Alberto, com amizade, este início de ciclo, e vou sentar-me ali para aprender coisas sobre jornalismo, que é uma coisa que conheço relativamente mal, como sabem”, acrescentou, com ironia.

Na sua curta intervenção, Marcelo Rebelo de Sousa pediu “uma salva de palmas de solidariedade” para o concelho de Mação que, disse, “foi particularmente fustigado como município pelos fogos” e do qual “não se falou suficientemente”.

Em seguida, numa conversa de mais de uma hora com estudantes de turmas do 10.º ano e do 12.º ano, José Alberto Carvalho falou do seu percurso, do problema do acesso gratuito à informação nesta era da Internet e do maior consumo de conteúdos nas redes sociais, de forma dispersa e informaticamente ajustada às preferências de cada um, em detrimento do consumo de notícias através dos meios de comunicação social.

O jornalista mencionou que “desapareceram dos hábitos de visionamento de notícias cerca de dois milhões e meio de pessoas” que antes assistiam aos telejornais.

“É cada vez difícil nós cruzarmos a nossa opinião uns com os outros, e eu acho que isto é uma das maiores ameaças à democracia”, considerou.

Sobre a forma gratuita como se acede à informação, fez uma comparação com a medicina, perguntando aos alunos: “Não era bom que nós tivéssemos diagnósticos e consultas de graça? Era ótimo, não era? Também acho. Quem é que quereria ser médico nessas circunstâncias, iria viver de quê? Vocês sabem que é isso que está a acontecer com os jornalistas?”.

Mais à frente, declarou que dá aulas e que o tem “perturbado imenso” o facto de haver “muita gente a dizer aos jovens que eles não devem ser jornalistas”, porque “as empresas estão todas as desmantelar-se”.

“É verdade que é difícil. Mas nós nunca precisámos tanto dos jornalistas como agora”, contrapôs.

Em resposta a uma pergunta do Presidente da República, José Alberto Carvalho apontou como o seu o melhor momento como jornalista “o dia da independência de Timor-Leste”, referindo que “estava lá”.

No final da sessão, um aluno quis saber as razões que o levaram a mudar de estação de televisão e recebeu “uma resposta politicamente incorreta”.

“Eu mudei de estação para não mudar eu”, justificou José Alberto Carvalho, que começou na RTP, esteve na SIC, regressou à RTP e agora está na TVI.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Portugal: um país anestesiado

José Pinto

A um país anestesiado basta acenar com o Simplex, versão revisitada. Ninguém vai questionar. A anestesia é de efeito prolongado. O problema é se o país entra em coma.

Política

Bem-vindo Donald Trump, António Costa merece!

Gabriel Mithá Ribeiro

A direita em Portugal, e o PSD muito em particular, nunca foram capazes de afirmar um discurso sociológico autónomo. CDS-PP e PSD insistem em nem sequer o tentar, mesmo quando se aproximam eleições.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)