Literatura

Gulbenkian assinala 130 anos da publicação de “Os Maias” com exposição

4.925

"Tudo o que tenho no saco. Eça e 'Os Maias'" vai estar patente na Gulbenkian, em Lisboa, de 30 de novembro a 18 de fevereiro. A mostra irá incluir fotografias, objetos pessoais, cartas e até pinturas.

Eça de Queiroz terá começado a trabalhar no romance em 1887. A primeira edição de "Os Maias" saiu no ano seguinte

©D.R.

Foi no verão de 1888, há 130 anos, que a Livraria Chardron (que depois se veio a chamar Livraria Lello) do Porto publicou, em dois volumes, o romance que tornaria Eça de Queiroz célebre: Os Maias. De modo a assinalar a data, têm sido levadas a cabo várias iniciativas, às quais se vai juntar no próximo mês de novembro uma exposição organizada na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa — “Tudo o que tenho no saco”. Eça e Os Maias.

O nome foi retirado de uma carta enviada por Eça a Ramalho Ortigão, a 20 de fevereiro de 1881, a partir de Bristol. Nesta, o escritor anunciava que Os Maias estavam praticamente concluídos e que tinha decidido “fazer não só um ‘romance’, mas um romance em que pusesse tudo o que” tinha “no saco”.

A exposição será composta por sete núcleos, com uma secção principal dedicada à “vasta máquina” que são Os Maias, como lhes chamou o próprio Eça de Queiroz. O segundo núcleo irá percorrer a vida e as aprendizagens do escritor antes da publicação do romance “com proporções enfadonhamente monumentais de pintura a fresco”, desde a passagem pela universidade de Coimbra, até à viagem de turista pelo Oriente, passando pelas suas estadias em Lisboa — fundamentais na sua formação literária e ideológica –, pela sua experiência jornalística em Évora e como funcionário em Leiria.

“Guerra ao romantismo” é o mote para o terceiro núcleo, que irá explicar como um autor educado no culto do Romantismo se converteu ao Realismo, dando-lhe corpo em Os Maias através da personagem de Alencar, poeta de valores românticos, que se torna alvo de toda a ironia de Eça. No quarto núcleo, onde irão ficar expostas algumas das pinturas que Paula Rego fez para uma série dedicada a O Crime do Padre Amaro”, irá fazer-se um apelo à reflexão e ao caráter moralizador da obra de Eça, cujos livros foram acusados de serem imorais.

“Olhares cruzados” é o quinto núcleo da exposição, e explora a forma como Eça fugia da objetividade do Realismo para apresentar vários olhares sobre a mesma realidade: ironia, sonho, caricatura e excesso. A busca permanente do autor pela perfeição na arte, que o levou a proclamar “a arte é tudo — tudo o resto é nada”, e que se espelha nas toilettes dândi de muitas das suas personagens, é mote para o penúltimo núcleo da mostra. O último espaço irá percorrer a geografia biográfica e ficcional de Eça de Queirós, da América do Norte ao Próximo Oriente, do Douro ao Alentejo, deixando, contudo, claro que Portugal era o lugar que estava no seu coração e no centro das suas preocupações.

A mostra, que irá abordar a vida e também as restantes obras do autor, terá um pouco de tudo, desde fotografias a desenhos, passando por gravuras, caricatura, pintura, escultura, fotogramas e excertos de filmes, contos, romances, cartas e documentos bibliográficos, revelou ao Observador fonte oficial da fundação.

Entre as peças pessoais de Eça de Queiroz, que poderão ser vistas pelo público, irão contar-se a secretária pessoal do escritor, o tinteiro em latão, a palmatória de iluminação, a estante giratória e a cabaia chinesa (vestuário de mangas largas usado na China), que lhe foi oferecida pelo Conde de Arnoso. Além das pinturas de Paula Rego, a mostra irá ter obras de Júlio Pomar, João Abel Manta, Raphael Bordallo Pinheiro, Raquel Roque Gameiro, Bernardo Marques, Manoel de Oliveira, João Botelho, entre outras, alusivas ao autor.

“Tudo o que tenho no saco”. Eça e Os Maias abrirá portas no dia 30 de novembro, mantendo-se na Gulbenkian até 18 de fevereiro de 2019.

Artigo atualizado a 23 de novembro com uma descrição mais pormenorizada da exposição 

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)