PGR

Caso Tancos. Marcelo Rebelo de Sousa garante que nunca soube do alegado encobrimento

215

A nova PGR visitou esta quinta-feira o DCIAP juntamente com o Presidente da República e com a Ministra da Justiça. À saída, Marcelo comentou os desenvolvimentos do caso Tancos.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Os recentes desenvolvimentos do caso Tancos serviram de pano de fundo para a passagem de Marcelo Rebelo de Sousa pelas instalações do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) em Lisboa. Ao longo da visita, esteve sempre acompanhado pela nova Procuradora-Geral da República e pela Ministra da Justiça. À saída, não fugiu às perguntas dos jornalistas e falou do processo que investiga o desaparecimento de material militar dos paióis de Tancos.

“Não comento processos que estão a correr na Justiça, neste caso sob investigação criminal. O que desejo é que se apure de alto a baixo toda a verdade, doa a quem doer. Pensava isso há um ano e meio e penso exatamente o mesmo agora. Os contornos jurídicos podem ter maior ou menor relevância política, mas os contornos de Direito são fundamentais: perceber o que se passou e perceber quem esteve envolvido”, sintetizou Marcelo Rebelo de Sousa.

Questionado sobre estas suspeitas e sobre o conhecimento que alegadamente teria sobre o caso, Marcelo Rebelo de Sousa foi perentório. “Não sabia e não sei quem furtou, não sabia e não sei o que foi e o que não foi, não sabia e não sei com que destino… Não sabia e não sei”, afirmou. “É evidente que se tivesse sabido alguma coisa sobre estes factos tê-lo-ia comunicado na oportunidade que tive para o fazer quando falei com a Procuradora-Geral da República ou com o Governo”, completou.

Esta quinta-feira ficou a saber-se que o ex-chefe de gabinete de Azeredo Lopes garante que o antigo Ministro da Defesa teve conhecimento do alegado encobrimento do roubo das armas. Voltando a recusar comentar o tema, o Presidente da República repetiu a frase que vem proferindo desde que soube do desaparecimento do material militar. “Quero que se apurem todas as responsabilidades, doa a quem doer“.

A teia sobre quem sabia o quê tem vindo a adensar-se e as suspeitas já recaem sobre as mais altas instâncias governamentais. Ainda esta quinta-feira o CDS admitiu chamar o primeiro-ministro à Comissão Parlamentar de Inquérito sobre o caso. Já Rui Rio recusou essa hipótese, para já, apesar de admitir a possibilidade de António Costa poder ter tido conhecimento do caso.

Ladeado por Francisca Van Dunem, exigiu ainda que não se esquecessem as várias fases do processo. “É necessário saber o que se passou nesta fase de que tanto se fala agora como na fase inicial, a do desaparecimento das armas, não vá haver uma ligação entre uma coisa e outra. Não se pode esquecer que houve um princípio e que houve um fim. Não se pode falar só do fim. Tudo o que tem de ser esclarecido deve sê-lo”, apelou.

O Chefe de Estado repetiu sucessivamente que não pode comentar o caso mas avisou que “assim que tiver a oportunidade” para se pronunciar não vai faltar ao compromisso. Mas é preciso esperar que a investigação apresente resultados. “Espero vir a saber um dia como é que foi o desaparecimento das armas e o seu reaparecimento. Os portugueses têm de saber o que se passou. Temos de saber todos, não apenas o Presidente da República”, exigiu.

O caso tem marcado a agenda mediática e política há várias semanas, mas o Chefe de Estado não adianta se já debateu o tema com António Costa. “Não é só em termos de memórias que não tenciono estar a contar as conversas que mantenho com o primeiro-ministro“, respondeu aproveitando para mandar uma farpa a Cavaco Silva, que ontem lançou o segundo volume das suas memórias – Quinta-feira e outros dias. “Seria, aliás, uma narrativa muito longa”, ironizou.

Sobre a visita em si, Marcelo Rebelo de Sousa sintetizou que serviu para demonstrar que “o Presidente da República continua a apoiar o trabalho que tem sido feito pelo DCIAP”. E deixou ainda a garantia de que Amadeu Guerra, diretor deste departamento judicial, conta com o apoio de Lucília Gago, como a PGR afirmou na sua tomada de posse.

Esta foi a segunda visita de Marcelo Rebelo de Sousa às instalações do DCIAP desde que chegou ao Palácio de Belém. O Chefe de Estado recordou recentemente a primeira visita, que aconteceu em 2016. Há duas semanas, na tomada de posse de Lucília Gago, o Presidente da República recordou essa visita. “Recordarei sempre a imagem que retive da visita ao DCIAP logo em 2016, para testemunhar apoio institucional à missão do MP, imagem essa de salas cheias até ao teto de volumes, milhares e milhares de páginas, como que esmagando os magistrados e especialistas afanosamente trabalhando em processos de maior envergadura”, afirmou.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmozos@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)