Rádio Observador

Google

Como a Google terá protegido o criador do Android, depois de ser acusado de assédio sexual

O caso remonta a 2014, quando uma mulher com quem Andy Rubin terá mantido uma relação extraconjugal o acusou de assédio sexual. Segundo o The New York Times, a Google terá ocultado o caso.

Brian Ach

90 milhões de dólares. Foi este o valor que a Google acertou pagar a Andy Rubin para que criador do software Android — o sistema operativo móvel mais utilizado no mundo — abandonasse a empresa. Desde 2014 que Rubin tem vindo a receber (e ainda recebe) dois milhões de dólares por mês, no âmbito deste acordo. “Quero desejar ao Andy o melhor para o que vem a seguir” disse na altura Larry Page, chefe executivo da Google. Agora, uma investigação do New York Times mostra algo que a gigante tecnológica nunca tornou público: uma funcionária acusou Andy Rubin de assédio sexual, a Google terá investigado o caso, concluiu que as acusações eram credíveis, mas protegeu o empresário, pagando até pela sua saída.

O caso remonta a 2012, quando Rubin mantinha, alegadamente, um relacionamento extraconjugal com uma funcionária da equipa da Android, diz o The New York Times, que obteve documentos corporativos e judiciais e falou com mais de 30 pessoas da empresa — ainda que a maior parte delas tenha preferido manter o anonimato por acordos de confidencialidade ou por receio de represálias. Uma das políticas da Google é que os funcionários informem a empresa quando mantêm algum relacionamento com alguém que, direta ou indiretamente, está ligado à instituição. Segundo o jornal norte-americano, não foi o que aconteceu neste caso.

Em 2014, e depois de o relacionamento entre os dois ter terminado, a mesma mulher decidiu quebrar o silêncio e acusou o empresário de a ter forçado a fazer sexo oral num quarto de hotel em março de 2013, de acordo com dois executivos que tiveram conhecimento do alegado assédio. Foi apresentada uma queixa às autoridades e ao departamento de recursos humanos da Google, que abriu uma investigação ao caso. Não há informações sobre a natureza da acusação e os termos financeiros da mesma.

Em setembro desse ano, algumas semanas após a abertura de um inquérito, a Google terá considerado que a acusação era credível, mas Andy Rubin negou sempre as acusações de que estava a ser alvo. O porta-voz do empresário, Sam Singer, afirmou que o criador do Android nunca foi informado de qualquer conduta inapropriada na empresa e disse ainda que o Rubin deixou a empresa por vontade própria. “Qualquer relacionamento que Rubin teve na Google foi consensual”, sublinhou.

Ao mesmo tempo que tudo isto acontecia, a Google pagava 90 milhões de dólares a Andy Rubin e terá pedido para o empresário sair, com um acordo que o impedia de se juntar à concorrência ou revelar qualquer detalhe publicamente. Na altura em que abandonou a Google, o empresário disse que a sua saída se devia à vontade em investir em projetos na área da robótica. A empresa não deu mais explicações.

Além de Andy Rubin, o New York Times revelou que há mais dois executivos que a Google terá protegido na última década, depois de terem sido acusados de assédio sexual. Em todos os casos, a decisão foi semelhante: o motivo de saída foi encoberto e os empresários receberam grandes quantias de dinheiro, quando a empresa não tinha a obrigação de fazer qualquer pagamento.

Eileen Naughton, vice-presidente de operações da Google, disse ao jornal norte-americano que a empresa tem levado cada vez mais a sério o assédio e analisa cada uma das queixas que são recebidas. “Investigamos e tomamos medidas, incluindo a demissão”, disse. “Nos últimos anos, adotamos uma postura particularmente rígida quanto à conduta inadequada de pessoas em posições de autoridade. Estamos a trabalhar duramente para continuar a melhorar a forma como lidamos com este tipo de comportamentos”, referiu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)