Rádio Observador

Monumentos

Museus e monumentos com venda automática de bilhetes a partir de novembro

A diretora-geral do Património Cultural revelou esta quinta-feira que o Mosteiro dos Jerónimos e o Museu Nacional de Arqueologia terão bilheteiras automáticas a funcionar a partir de novembro.

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A diretora-geral do Património Cultural, Paula Silva, revelou esta quinta-feira que o Mosteiro dos Jerónimos e o Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa, terão bilheteiras automáticas a funcionar a partir de novembro, libertando, assim, trabalhadores para outras funções.

Paula Silva revelou a medida à agência Lusa e à Antena 1, à margem da conferência “Património Cultural Desafios XXI”, que decorre na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, quando questionada sobre a greve iniciada esta quinta-feira pelos funcionários do Mosteiro dos Jerónimos, Museu Nacional de Arqueologia (MNA) e Torre de Belém.

“Estamos a tomar medidas que contrariam e tentam resolver muitas das questões que são colocadas nesta greve, mas são demoradas a implementar”, disse a diretora-geral.

Os funcionários daqueles três espaços culturais encetaram quatro dias de greve – que afeta sobretudo a hora de abertura – em protesto pela falta de condições de trabalho, nomeadamente exaustão, falta de limpeza e de condições sanitárias, atrasos no pagamento de trabalho suplementar, impedimento de dias de gozo de descanso e alteração de período de férias.

Paula Silva explicou que alguns destes funcionários, que trabalham como assistentes de bilheteira, poderão ter outras funções depois da entrada em funcionamento da bilheteira automática: “Estamos a fazer uma mudança de pensamento e espero bem que os trabalhadores fiquem menos sobrecarregados de trabalho, porque não é isso que queremos”.

A partir de novembro, estarão a funcionar as bilheteiras automáticas no Mosteiro dos Jerónimos e no Museu Nacional de Arqueologia e, posteriormente, na Torre de Belém, nos mosteiros da Batalha e de Alcobaça, e no Convento de Cristo, em Tomar.

“Isto é uma medida que estamos a tomar e que eu considero das mais importantes que estamos a implementar. É para ser alargada a todos os museus, palácios e monumentos da Direção-Geral do Património Cultural. Esta é a experiência-piloto, mas também a mais importante, porque é onde circula mais dinheiro”, disse a diretora-geral.

No caso de Lisboa, serão colocadas cinco máquinas de venda de bilhetes na entrada do MNA e que se destinam também ao Mosteiro dos Jerónimos, já que partilham espaços na zona de Belém.

“Essa bilhética vai permitir que alguns funcionários passem a poder estar na vigilância, porque a pressão da compra de bilhetes é enorme com aquelas filas imensas de pessoas. Já temos máquinas compradas para alargar a um conjunto grande de monumentos, incluindo a Torre de Belém”, disse.

Questionada sobre a possibilidade de contratação de mais assistentes técnicos para a DGPC, Paula Silva remeteu o assunto para a tutela da Cultura: “A nova senhora ministra [Graça Fonseca] tem isso na sua agenda como um dos pontos mais importantes e provavelmente irá dar informação muito proximamente sobre esse assunto. A questão de colocarmos a bilhética vai alterar bastante essa situação”.

Outra das razões da paralisação dos trabalhadores está relacionada com a falta de condições sanitárias, com a presença de ratos nas instalações, um caso que Paula Silva circunscreveu à Torre de Belém, “um monumento muito pequeno situado dentro do rio, que tem alguns constrangimentos de animais que circulam e é muito difícil de controlar”.

Segundo a responsável, a DGPC tem um “contrato com uma empresa e tem feito regularmente as desinfestações, e por vezes é preciso fazer desinfestações extra”.

De acordo com o relatório de atividades de 2017 da DGPC, no ano passado, o Mosteiro dos Jerónimos recebeu mais de um milhão de visitantes (1.080.902), enquanto o Museu Nacional de Arqueologia – que funciona numa das alas deste mosteiro – contou com 167.634 entradas.

Em 2017, a Torre de Belém teve 575.875 visitantes.

Paula Silva falava no primeiro dia da conferência de dois dias “Património Cultural Desafios XXI”, organizada pela DGPC, e que considera “um momento alto do Ano Europeu do Património Cultural”, com a presença de vários estudiosos, especialistas e personalidades ligadas ao património.

“O Ano Europeu do Património Cultural é um momento marcante em que a Europa decide falar de Património, mas deverá ser o primeiro ano em que a Cultura é posta como um dos pilares de desenvolvimento da Europa e o reconhecimento da identidade europeia e isso é muitíssimo importante e tem que ser falado e discutido”, disse.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A sobrevivência do socialismo /premium

André Abrantes Amaral

O socialismo é a protecção de um sector contra os que ficam de fora. O desejo de ordem e a desresponsabilização é natural entre os que querem segurança a todo o custo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)