Rádio Observador

Viagens

Fotogaleria. A Lonely Planet já escolheu os 30 melhores destinos para 2019

A Lonely Planet fez uma lista com os melhores destinos para visitar em 2019. Ao todo são 30: 10 países, 10 regiões e 10 cidades.

Meknès, Marrocos

AFP/Getty Images

A Lonely Planet, guia de sugestões turísticas, escolheu os 30 melhores destinos para 2019 na lista “Best in Travel”: 10 países, 10 regiões e 10 cidades.

Do conjunto dos 10 melhores países, a Lonely Planet destaca países da Ásia como o Sri Lanka ou o Quirguistão. Localizado na Ásia Meridional, pode entrar em contacto com diversas culturas e religiões se visitar o Sri Lanka – o destino n.º 1 da lista. O país tem como novas atrações o surf e melhorou a sua rede de comunicações. Há também novos hotéis, restaurantes e propostas de turismo sustentável, desportos na natureza, safaris fotográficos e retiros de yoga. Considerado património mundial, pode encontrar no Sri Lanka o templo da Relíquia do Dente de Buda, na cidade de Kandy.

Se é fã de paisagens e desportos de montanha, pode sempre optar pelo Quirguistão. O território conta com mais de 2.700 quilómetros de rotas sinalizadas e, se for em setembro, ainda visita os Jogos Mundiais dos Povos Nómadas. Esperam-nos lugares como Karakol (epicentro dos excursionistas), Bishkek (a capital) e Osh (cidade histórica que fez parte da mítica Rota da Seda).

Entre as 10 melhores regiões inclui-se o Centro Vermelho, na Austrália, ou o Leste da Rússia, se preferir ambientes mais frios. Na Austrália, a desértica e avermelhada rocha (na fotografia) conhecida por Uluru é um local sagrado para as tribos aborígenes locais. Igualmente património mundial, este lugar conserva importantes valores culturais e naturais. Também é possível realizar circuitos de astronomia e cursos de cozinha local.

Voando para o leste da Rússia, na península de Kamtchatka pode apreciar as paisagens vulcânicas e as fontes termais dos campos de lava sólida. Há excursões de helicóptero em redor do vulcão Tolbacnik, sendo que a região conta com duas reservas naturais onde pode admirar o tigre de Amur, uma espécie em risco de extinção.

Quanto às 10 melhores cidades, a Lonely Planet sugere Copenhaga ou Miami. A primeira – eleita a melhor cidade da lista “Best in Travel” – oferece-lhe restaurantes de cozinha neo-nórdica, que atraem cada vez mais pessoas e cujo pioneiro é o famoso Noma; além disso, pode visitar o antigo estaleiro de Refshaleoen, que se converteu agora num mercado alimentar e de artesanato – o mercado Reffen.

Se estiver com mais disposição para um passeio pela arte, procure o Centro de Arquitetura da Dinamarca, no centro cultural BLOX, do arquiteto Rem Koolhaas, ou siga em visita a palácios, museus históricos e bairros que se transformaram em galerias de arte.

Miami, por sua vez, destaca-se pelo seu centro de arte e desenho e pela sua cultura gastronómica, cujo epicentro cultural é o Design District. A feira “Art Basel Miami” acolhe prestigiados artistas e galeristas de todo o mundo, sendo um dos melhores eventos de arte contemporânea da América. A fotografia relativa à cidade apresenta uma parede do antigo bairro industrial de Wynwood Walls.

Veja na fotogaleria acima as fotografias dos vários sítios, que pode ir riscando da sua “pocket list” à medida que os for visitando.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)