Rádio Observador

França

Professor francês ligou centenas de vezes para o Eliseu para falar com Emmanuel Macron

Um professor francês ligou centenas de vezes durante vários dias para o Eliseu para tentar falar com Emmanuel Macron. Os funcionários do palácio presidencial apresentaram uma denúncia por assédio.

O professor queria falar com Emmanuel Macron para lhe explicar aquilo que o inquieta na atualidade política francesa

AFP/Getty Images

Um professor francês foi acusado de assédio telefónico ao Eliseu, a residência oficial do presidente francês. O homem telefonou centenas de vezes durante vários dias para o palácio presidencial e exigiu falar com Emmanuel Macron, para lhe transmitir as suas inquietações, receios e preocupações quanto à atualidade política francesa. Quando a chamada não foi passada ao gabinete do presidente, o francês insistiu uma e outra vez e, além das críticas a Macron, começou a insultar e ameaçar os funcionários que atendiam o telefone.

Perante a insistência – que, de acordo com a comunicação social francesa, terá sido “suficiente para impedir o pessoal da central telefónica de realizar o seu trabalho e atender as restantes chamadas” -, os funcionários do Eliseu decidiram apresentar uma denúncia por assédio telefónico: o “procedimento administrativo clássico”, garantem, aconteceu no passado mês de setembro. Os jornais franceses avançavam esta terça-feira que o homem tinha telefonado 195 vezes em menos de 24 horas, mas este número foi já colocado em questão pela própria residência oficial de Emmanuel Macron, que garante que as chamadas não são quantificadas.

O homem foi entretanto identificado como sendo um professor de música, com 38 a 40 anos, pai de família e residente em Annecy, na região este de França. A polícia francesa não teve grandes dificuldades em encontrar o homem em questão já que, além de ter feito todas as chamadas a partir do telefone fixo de casa, este é já reincidente. Em anos anteriores, já tinha contactado sucessivamente o Eliseu, ainda durante o mandato de François Hollande, e tinha tido o mesmo modus operandi com um alto funcionário da polícia que tinha visto na televisão.

Os funcionários da residência oficial do presidente francês garantem ainda que a denúncia não foi feita porque o professor criticava Emmanuel Macron – mas sim pelas ameaças feitas ao pessoal da central telefónica. “Ele dava regularmente o seu ponto de vista de maneira veemente sobre todo o tipo de coisas e considerava legítimo fazê-lo diretamente ao Eliseu. O discurso era por vezes incoerente, vingativo e acompanhado por insultos”, acrescentaram, em declarações ao jornal Le Parisien.

Depois de identificado, foi chamado à esquadra da zona de residência e por lá permaneceu durante várias horas a prestar declarações. O professor deve ser presente a um juiz em janeiro de 2019.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt
Cooperação económica

De braço dado com Angola

José Manuel Silva

O momento político angolano é propício à criação de laços baseados na reciprocidade e na igualdade de tratamento, sem complexos de nenhuma espécie. A história foi o que foi, o presente está em curso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)