Rádio Observador

CGTP

CGTP espera que trabalhadores mostrem “forte indignação” com “grande adesão” à greve

CGTP, Arménio Carlos, disse esta quinta-feira esperar uma "grande adesão" dos funcionários públicos à greve geral de sexta-feira, que mostre ao Governo a "forte indignação" do setor.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O secretário-geral da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP), Arménio Carlos, disse esta quinta-feira esperar uma “grande adesão” dos funcionários públicos à greve geral de sexta-feira, que mostre ao Governo a “forte indignação” do setor.

“Creio que esta greve da administração pública vai ter uma grande adesão dos trabalhadores, quer no continente, quer nas regiões autónomas, desde logo porque se sentem indignados”, afirmou Arménio Carlos, em declarações à agência Lusa junto às instalações dos Serviços Intermunicipalizados de Águas e Resíduos dos Municípios de Loures e Odivelas.

O responsável da CGTP lamentou que, “depois de dez anos sem qualquer atualização salarial”, os funcionários públicos continuem a ser “desconsiderados com propostas que não correspondem nem às suas necessidades, nem aos seus interesses e, por outro lado, sem qualquer correspondência em termos do reconhecimento das profissões”.

A juntar esta questão, “há um conjunto de subsídios de insalubridade e risco, nomeadamente nas profissões da recolha de resíduos sólidos que continuam por responder”, ressalvou, apontando que a prestação de serviços públicos feita por estes trabalhadores “é fundamental para ir ao encontro das necessidades das populações”.

Vincando ser “exigível que os trabalhadores sejam valorizados e reconhecidos”, Arménio Carlos antecipou, ainda, a “forte indignação que hoje e amanhã [sexta-feira] se vai sentir em todo o país”.

Os trabalhadores da administração pública cumprem a partir da meia-noite uma greve por aumentos salariais, o que poderá levar ao encerramento de escolas, ao cancelamento de atos médicos e comprometer o funcionamento de tribunais e finanças.

Os primeiros efeitos do protesto começaram a sentir-se ainda esta quinta-feira nos hospitais, com a mudança de turno das 23:00h, e nos serviços de saneamento das autarquias, onde a recolha de lixo começou às 22h30.

Segundo dados avançados à Lusa pelas 23h00 pelo presidente do Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local, José Correia, os serviços de recolha noturna de lixo em Évora, Seixal, Setúbal, Moita e Palmela “estão todos encerrados”.

Já a coordenadora da Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública, Ana Avoila, referiu que, de acordo com os dados que disponha naquele momento, a adesão nos hospitais do Norte variava entre os 75% no São João, os 85% no Santo António e os 90% nos hospitais de Gaia, de Chaves e de Penafiel.

Inicialmente a greve foi convocada pela Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública (ligada à CGTP) para pressionar o Governo a incluir no Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) a verba necessária para aumentar os trabalhadores da função pública, cujos salários estão congelados desde 2009.

Contudo, após a última ronda negocial no Ministério das Finanças, em meados de outubro, a Federação de Sindicatos da Administração Pública e o Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado, ambos filiados na UGT, anunciaram que também iriam emitir pré-avisos de greve para o mesmo dia, tendo em conta a falta de propostas do Governo, liderado pelo socialista António Costa.

Os sindicatos da função pública e os seus representados ficaram desiludidos com o anúncio, pelo ministro das Finanças, de que o OE2019 tem uma margem de 50 milhões de euros para o crescimento dos salários.

Sobre a proposta, Arménio Carlos disse agora que o documento “fica muito aquém do que seria justo e exigível, porque o Governo avança com a disponibilização de 50 milhões de euros para aumentar os salários de 650 mil trabalhadores da administração pública ao mesmo tempo que também anuncia que tem 400 milhões reservados para colocar no Novo Banco”.

“Isto não faz sentido. O país não se desenvolve com a continuação da política de baixos salários”, concluiu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira
989

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)