Economia

Empresas não financeiras melhoraram indicadores económicos em 2017

As sociedades do alojamento e restauração destacaram-se "como as que apresentaram crescimentos mais expressivos em 2017 na generalidade dos indicadores económicos", segundo o INE.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Os indicadores económicos das empresas não financeiras em Portugal em 2017, conseguiram “aumentos expressivos”, com destaque para o setor do alojamento e restauração, divulgou esta sexta-feira o INE.

Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), os principais indicadores económicos do setor empresarial não financeiro registaram evoluções positivas face a 2016, com o volume de negócios, o VAB (Valor Acrescentado Bruto) e o Excedente Bruto de Exploração (EBE) a crescerem 8,6%, 7,7% e 8,1% em termos nominais, respetivamente (2,7%, 6,0% e 8,4% em 2016).

As sociedades do alojamento e restauração destacaram-se “como as que apresentaram crescimentos mais expressivos em 2017 na generalidade dos indicadores económicos, evidenciando aumentos de 16,5% no volume de negócios e de 20,4% no VAB”, sinaliza o INE.

De igual modo, este foi o ano em que, neste setor de atividade, se atingiram máximos históricos nestes indicadores, em termos absolutos. Em 2017, o setor do alojamento e restauração representava 9,8% das sociedades não financeiras em Portugal (38.329 sociedades), 3,3% do volume de negócios, 8,9% do pessoal ao serviço, e 5,5% do VAB.

Por comparação com 2008, o peso do setor no número de empresas aumentou 0,9 pontos percentuais, no volume de negócios 1,0 pontos percentuais, no pessoal ao serviço 1,5 pontos percentuais, e no VAB 1,6 pontos percentuais. Em termos gerais, o pessoal ao serviço aumentou 3,8% (3,5% em 2016) e as empresas organizadas sob a forma de sociedades apresentaram acréscimos superiores nesses indicadores (respetivamente 8,8%, 8,0%, 8,9% e 4,9%).

A produtividade aparente do trabalho das sociedades não financeiras aumentou 2,8% para 28 978,87 euros por pessoa ao serviço. Já o VAB gerado por sociedade, segundo o INE, situou-se em 217 mil euros, mais 4,7% que no ano anterior.

De acordo com os dados esta sexta-feira divulgados, cada sociedade gerou, em média, 902,6 mil euros de volume de negócios, mais 5,5% que em 2016. Em 2017, as sociedades não financeiras com perfil exportador representaram 32,4% do VAB e 22,8% do pessoal ao serviço do total das sociedades não financeiras, mais 0,8 pontos percentuais e menos 0,1 pontos percentuais face a 2016, respetivamente.

A remuneração média mensal por pessoa ao serviço registou 1.007 euros em 2017, destacando-se o aumento de 2,5% nas PME (Pequenas e Médias Empresas), que passam de 916 euros em 2016 para 939 euros em 2017.

Desde 2013 verifica-se, segundo o INE, uma melhoria contínua na taxa de investimento das sociedades não financeiras em Portugal, atingindo 21,5% em 2017, mas ainda assim abaixo dos valores anteriores a 2011. Por dimensão de empresa, observa-se a mesma tendência, sendo que as PME registaram 22,3% e as sociedades de grande dimensão 20,1%, em 2017.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)