CGTP

Secretário-geral da CGTP diz que Governo deve reabrir negociações

O secretário-geral da CGTP afirmou que a greve a decorrer sinaliza que os trabalhadores não abdicam de continuar a lutar pela defesa da sua dignidade, exigindo a reabertura das negociações.

MÁRIO CRUZ/LUSA

O secretário geral da CGTP, Arménio Carlos, afirmou que a greve da Função Pública esta sexta-feira a decorrer sinaliza que os trabalhadores não abdicam de continuar a lutar pela defesa da sua dignidade, exigindo a reabertura das negociações.

“A melhor forma de o fazer é ter em conta as reivindicações da Frente Comum e, simultaneamente, reabrir um espaço de discussão. Não de uma discussão simulada, mas de uma discussão efetiva para responder aos problemas”, disse o líder da CGTP, que falava em frente da Escola Marquesa de Alorna que esta sexta-feira está encerrada.

A coordenadora da Frente Comum, Ana Avoila, também presente no local, disse que os objetivos da greve “estão a ser reconhecidos pelos trabalhadores”, o que pode ser avaliado pelo “elevado número da adesão nas escolas, na Segurança Social, na Saúde, na Cultura, na Justiça, nas Finanças, nos Tribunais, por todo o lado”.

Daí que tenha defendido que o Governo terá de “marcar rapidamente” uma reunião com os sindicatos e “tentar negociar”, porque “tem espaço para o fazer, tem dinheiro para negociar salários e os sindicatos não abdicam disso”. “Depois de nove anos, esta greve tem de ter uma resposta de quem tem o direito de a dar que é o Governo”, salientou a dirigente sindical, lembrando que os trabalhadores querem que os salários sejam negociados.

Arménio Carlos referiu também que, se o Governo não reabrir as negociações e melhorar os salários dos trabalhadores da Administração Pública, a luta vai continuar.

“Se isso for feito, temos caminho para andar, senão for feito temos caminho para confrontar. E se formos pela segunda via já está agendado o dia do confronto seguinte, que vai ser a 15 de novembro, com uma grande manifestação em Lisboa, com a participação quer de trabalhadores da Administração Pública, quer de trabalhadores do setor privado porque também no setor privado não é admissível o que se está a passar”, nomeadamente em termos de contratação coletiva, lembrou o líder da central sindical.

Arménio Carlos referiu ainda que, durante o período da troika, “foi devido à intervenção dos profissionais da Administração Pública que muitos dos serviços conseguiram funcionar e agora também era justo que, ao fim de 10 anos, o Governo tivesse uma palavra de atenção e de reconhecimento por esse trabalho”, advertindo que “isso não está a acontecer”.

E prosseguiu: “Aquela proposta de 550 milhões de euros para salários para um universo de 650 mil trabalhadores é uma proposta inadmissível. Digamos que eu diria quase que é uma provocação”.

“Não nos venham dizer que não há dinheiro para aumentar os salários, porque nós sabemos que neste momento continua a haver muito dinheiro quer para o setor financeiro, quer para as chamadas despesas más – as parcerias público privadas, que nos vão levar, de acordo com a proposta de Orçamento de Estado apresentada, 1.700 milhões de euros no próximo ano. Já para não falar dos juros da dívida”, sublinhou o sindicalista.

Para o sindicalista, quando se faz um orçamento, “este não pode ser feito numa base tradicional como a que nós tínhamos anteriormente, que era cortes nos salários, cortes nos direitos, e cortes nas pensões”.

“Se a economia está a crescer, se há desenvolvimento económico, esse desenvolvimento é para os trabalhadores em geral e, em particular, para os da Administração Pública que também deram o seu contributo. Daí que está na altura de o Estado, o Governo, assumir as suas responsabilidades enquanto entidade patronal para com estes trabalhadores”, frisou o líder sindical.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)