Um sismo de magnitude de 6,4 na escala de Richter atingiu na noite de quinta-feira o sudoeste da Grécia, causando poucos danos materiais e nenhuma vítima. O epicentro foi detetado pelo Instituto Geodinâmico grego a 50 quilómetros a sul da ilha de Zakynthos, no Mar Jónico, mais especificamente a 35 quilómetros a sudoeste da aldeia de Lithakia e a 124 quilómetros de Patras, a terceira maior cidade do país, segundo informações divulgadas pelo Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS). O USGS apontou para uma magnitude superior à divulgada pelo organismo grego, de 6,8.

O abalo, com o epicentro a 16,6 quilómetros de profundidade, foi sentido na capital, Atenas, e noutros países, como Albânia, Italália, Líbia e Malta, refere a Reuters. Zakynthos foi, naturalmente, a zona mais afetada. A localidade de Ambelokipoi, com cerca de dois mil habitantes, foi a que mais sentiu o sismo, com uma intensidade “muito forte” — ou VII na escala Mercali modificada. Patras, por exemplo, sentiu com intensidade III (ou seja, um abalo leve).

Durante a noite, foram sentidas várias réplicas. Por volta das 22h22, foi sentido um primeiro abalo de magnitude 5, com o epicentro a dez quilómetros de profundidade e a 30 quilómetros de Lithakia. Já mais tarde, por volta das 23h09, a 56 quilómetros da costa e a dez quilómetros de profundidade, foi sentida uma réplica de magnitude 5,2. O terramoto mais forte terá atingido uma magnitude de 5,6, deixando a ilha temporariamente sem eletricidade.

Não há registo de vítimas mortais e, segundo a Reuters, apenas três pessoas terão sido transportadas para o hospital, com ferimentos ligeiros. Um mosteiro do século XV terá sofrido alguns danos. O porto de Zakynthos também terá sido afetado pelo terramoto, mas os estragos não irão afetar o seu normal funcionamento. “Não estamos a enfrentar grandes problemas”, disse o presidente da câmara Pavlos Kolokotsas à Reuters. “A calma está a ser restabelecida.”

De acordo com o USGS, a probabilidade de haver vítimas mortais é baixa — existem 65% de possibilidades de haver entre zero e uma vítima mortal.

O Centro Sismológico Euro-Mediterrânico (CSEM) alertou para a possibilidade de haver um pequeno tsunami, mas tal não se registou.

A Grécia é atravessada por duas placas tectónicas, e os sismos são recorrentes.

(em atualização)