Síria

Erdogan, Putin, Macron e Merkel discutem situação da Síria

Os presidentes turco, russo, e francês e a chanceler alemã reúnem-se este sábado em Istambul com a situação em Idlib (noroeste da Síria) e a resolução política do conflito na agenda.

STR/EPA

Os presidentes turco, Recep Tayyip Erdogan, russo, Vladimir Putin, e francês, Emmanuel Macron, e a chanceler alemã, Angela Merkel, reúnem-se este sábado em Istambul com a situação em Idlib (noroeste da Síria) e a resolução política do conflito na agenda.

Na véspera da cimeira, o porta-voz da Presidência turca, Ibrahim Kalin, disse que Ancara iria pressionar para que fossem dados passos claros para resolver politicamente a guerra desencadeada em 2011.

Objetivo da Turquia, que apoia grupos rebeldes sírios, é igualmente a preservação do acordo que assinou a 17 de setembro com a Rússia, aliada do Presidente sírio, Bashar al-Assad, para a criação de uma zona desmilitarizada, separando os territórios dos insurgentes em Idlib dos setores vizinhos controlados por Damasco e cuja aplicação continua incerta.

Kalin disse ainda que a Turquia espera que os quatro líderes acordem a criação de uma comissão para redigir uma nova Constituição para a Síria.

Segundo a Presidência francesa, Macron falou na sexta-feira ao telefone com o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para coordenarem posições antes da cimeira de Istambul. “Os Estados Unidos e a França partilham os mesmos objetivos a nível de segurança, humanitários e políticos na Síria e o Presidente norte-americano pediu ao Presidente da República para apresentar essa posição comum na cimeira de Istambul”, indicou o Eliseu num comunicado.

A Presidência francesa recordou que a prioridade da França é garantir a continuação do cessar-fogo na região de Idlib e aprofundar as discussões relativas ao processo político para resolver a guerra na Síria.

Paris também quer avançar na criação de um comité constitucional, composto por igual número de representantes do regime, da oposição e de independentes.

“Esperamos que sábado haja uma decisão clara tomada pelos quatro dirigentes para dizer que este comité deve ser patrocinado pela ONU e que ele possa realizar a sua primeira reunião em Genebra nas próximas semanas, até ao final do ano”, refere o comunicado do Eliseu.

Quando confirmou a presença de Vladimir Putin na cimeira, o Kremlin indicou que as discussões deveriam ser sobre o modo “de fazer avançar o processo político na Síria, assim como sobre outras medidas suscetíveis de reforçar a segurança e a estabilidade e de criar as condições propícias ao regresso dos refugiados”.

Uma porta-voz de Angela Merkel, Martina Fietz, disse a semana passada que a chanceler “quer (…) trabalhar num processo de estabilização da Síria e vê na Rússia, enquanto aliado do regime de Assad, um parceiro que têm uma responsabilidade particular”.

A cimeira permitirá discutir “a continuação do processo político, sob égide da ONU, em particular o início dos trabalhos de uma comissão sobre a Constituição”, segundo Berlim. A guerra da Síria já matou mais de 360.000 pessoas e obrigou milhões a abandonarem as suas casas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)