Rádio Observador

Catalunha

Puigdemont apela à união dos separatistas na convenção do Crida

O ex-presidente Carles Puigdemont apelou a partir da Bélgica à união dos separatistas na convenção do novo partido Crida (Chamamento) Nacional para a República.

SUSANNA SAEZ/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O ex-presidente do governo catalão Carles Puigdemont apelou, no sábado, a partir da Bélgica, à união dos separatistas na convenção do novo partido Crida (Chamamento) Nacional para a República, para continuar o sonho de uma Catalunha independente.

O pavilhão de Nou Congost, em Barcelona, foi pequeno para acolher, um ano depois da declaração unilateral de independência, a convenção fundacional do Crida, liderado por Puigdemont — seu impulsionador — pelo presidente do executivo catalão, Quim Torra, e pelo ex-líder da ANC e deputado do JxCAT Jordi Sanchez, que está detido.

Na sua intervenção por videoconferência, a partir da Bélgica, onde está exilado, Puigdemont prometeu que esta organização política, que será fundada num congresso previsto para 19 de janeiro de 2019, se dissolva quando alcançar a independência, não tendo intenção de perpetuar-se.

“É a primeira organização política que nasce com vontade de desaparecer”, sublinhou Puigdemont, que insistiu, numa mensagem dirigida aos partidos independentistas, sublinhando que a sua intenção é unir a soberania e criar uma república, “sem falar mal dos companheiros de viagem”.

“Um ano atrás, decidimos que continuaríamos a lutar, quaisquer que fossem as condições e circunstâncias, e que nos comprometeríamos a construir um país melhor, uma República”, disse Carles Puigdemont.

O político aludiu às divisões entre os independentistas, afirmando que gostava de “avançar unidos”.

Contudo, muitos de seus ex-aliados agora apostam em posições mais moderadas ou pragmáticas e já se recusaram a participar dessa nova formação política.

Os independentistas “celebraram” no sábado o primeiro aniversário da proclamação da sua “República Catalã”, em 27 de outubro de 2017, no parlamento catalão, que nunca se concretizou.

Nove de seus líderes estão presos, aguardando julgamento por “rebelião” e podem ser condenados até 25 anos de prisão.

O novo partido independentista impulsionado por Carles Puigdemont, pretende ser “transversal” e ultrapassar as fronteiras partidárias.

Há um ano, a tentativa secessionista na Catalunha assustou muitas empresas que decidiram mudar para outras cidades de Espanha a sua sede social.

Mas, a região que representa quase 20% da economia espanhola continua a crescer de forma robusta, com taxas superiores ao resto do país.

A resolução do problema catalão também depende do que acontecerá aos 25 dirigentes regionais que aguardam julgamento, por delitos de rebelião, sedição e/ou peculato.

A maior parte deles são ex-ministros regionais do anterior executivo de Carles Puigdemont e alguns (nove) estão presos preventivamente e outros (sete) fugiram para o estrangeiro (Bélgica, Suíça e Escócia) para evitar a Justiça espanhola.

Carles Puigdemont está a viver e a tentar dirigir o movimento independentista a partir de Bruxelas e com o seu ex-presidente adjunto e ainda líder da ERC preso numa prisão na Catalunha.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A síndrome de Istambul chegou a Moscovo /premium

José Milhazes

O Kremlin teria um sério teste à sua popularidade se permitisse a realização de eleições municipais em Moscovo e do governador de São Petersburgo limpas e transparentes. Mas isso não deverá acontecer.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)