Rádio Observador

Almada

Associação em Almada faz esterilizações a gatos de rua há cinco anos

269

Onde há Gato não há Rato é o nome da associação que, há cinco anos, faz esterilizações a gatos de rua, em Almada, no distrito de Setúbal, evitando a sobrepopulação destes animais.

PATRICK PLEUL/EPA

Onde há Gato não há Rato é o nome da associação que, há cinco anos, faz esterilizações a gatos de rua, em Almada, no distrito de Setúbal, evitando a sobrepopulação destes animais.

É uma associação sem fins lucrativos, funciona num espaço cedido pela Câmara Municipal de Almada, com trabalho voluntário e donativos, tudo com um objetivo: controlar as colónias de gatos do concelho.

“Nós não somos contra nem queremos acabar com os gatos de rua, nós queremos é controlar esta sobrepopulação”, explicou à agência Lusa uma das fundadoras e presidente da direção, Lurdes Soares.

Um mês depois de ter entrado em vigor a lei que proíbe o abate dos animais nos canis municipais, a responsável defendeu que a melhor alternativa a essa prática “criminosa” é simples: Capturar, Esterilizar e Recolocar (CEI) — um projeto que nasce do abandono e animais. “Uma colónia de gatos controlada e esterilizada é equilibrada, importante para o ecossistema e para as pessoas, afasta pragas de baratas, de ratos e é possível viver em harmonia”, frisou.

Com a colaboração do Canil Municipal e de outros veterinários do concelho, por mês, a Onde há Gato consegue esterilizar e devolver ao seu território “entre 30 a 40 animais”.

No dia 19 de outubro, o parlamento rejeitou um projeto de lei para criar uma rede nacional de centros de recolha de animais de companhia e esterilização de animais errantes.

Desde 2013, a Onde há Gato não há Rato dedica-se a este trabalho em Almada, mas, segundo Lurdes Soares, é preciso fazer mais, até porque a sobrepopulação de gatos de rua se tem agravado com o abandono de animais. “Nós encontramos muitos animais abandonados e são prioritários. O grande descontrolo vem daí e não das colónias”, explicou.

Quando a Lusa visitou o Centro de Acolhimento Temporário da associação, encontravam-se naquele espaço cerca de 90 gatos, dos quais mais de metade correspondiam a animais abandonados. “Quando eu encontro um animal que teve casa e está na rua, esse animal está traumatizado, está deprimido e doente e, por isso, acabamos por dar prioridade”, revelou.

Esta necessidade trouxe, no entanto, um novo problema: o espaço da associação está a tornar-se pequeno. “Temos aqui três vezes mais animais do que os que devíamos ter”, lamentou. Apesar de reconhecer o contributo da autarquia ao nível da cedência do espaço e esterilizações gratuitas, Lurdes Soares defendeu que a câmara municipal “tem que ter um centro oficial de recolha, um gatil”.

A Onde há Gato não há Rato enfrenta alguns desafios, mas mantém a confiança de que faz o melhor para ajudar os gatos do concelho e, no final de contas, o que interessa são os pequenos “milagres”.

“O Palito estava praticamente cadáver. Achávamos que não tinha salvação possível, todo o seu canal auditivo estava despegado. Todo ele era um palito. Ele evoluiu tanto e hoje está um tronco, está obeso e feliz. Foi um milagre”, contou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)