Tecnologia

Já há uma fundação para regular e promover as moedas digitais portuguesas AppCoins

A App Store Foundation visa garantir a governação aberta do protocolo das AppCoins, moedas digitais portuguesas lançadas há um ano. A 5 de novembro, decorre o App Store Foundation Blockchain Summit.

O Museu do Oriente vai receber a 5 de novembro vários especialistas internacionais para discutir os problemas das moedas digitais

Getty Images

Um ano depois de a Aptoide ter lançado as moedas digitais AppCoins, nasce a App Store Foundation, organização sem fins lucrativos que visa garantir a governação aberta do protocolo blockchain (tecnologia que permite transações descentralizadas na Internet, sem intermediário e supervisão) das AppCoins e apoiar o desenvolvimento e inovação contínua da tecnologia. A Aptoide foi a primeira loja de aplicações móveis do mundo a lançar uma moeda digital própria.

Para assinalar o arranque da ONG, o Museu do Oriente vai receber a 5 de novembro vários especialistas internacionais no App Store Foundation Blockchain Summit. Objetivo: esclarecer a comunidade global de programadores de aplicações móveis e lojas de apps, promovendo a partilha de conhecimento. Entre os oradores, estão Chris Jones, cofundador da Blockchain Seattle, e Jordan French, editor executivo do Block Telegraph.

Este não é apenas um evento sobre blockchain. Queremos resolver problemas e abordar os desafios técnicos no ecossistema de aplicações e como o blockchain pode ser a solução para os mesmos quer seja através de uma melhor estratégia de monetização, criação de novos modelos de negócio ou maior acessibilidade aos pagamentos. Casos como o do lançamento do Fortnite mostram que a indústria não precisa de se manter centralizada e que há espaço para um novo paradigma mais aberto, livre e descentralizado”, afirmou Carolina Marçalo, diretora executiva da App Store Foundation, em comunicado.

A App Store Foundation quer que o protocolo AppCoins se torne no método de pagamento líder nas lojas de aplicações. Para que isso aconteça, vai apostar na criação de parcerias estratégicas para amplificar a base de utilizadores das moedas digitais, como lojas de aplicações ou fabricantes de dispositivos móveis, e promover uma comunidade que trabalhe para melhorar a falta de transparência que existe na economia das apps, falta de confiança dos utilizadores nos atuais mecanismos de pagamento digital, entre outros.

O objetivo da ONG é tornar a portuguesa AppCoins na solução blockchain padrão para a distribuição de aplicações. As moedas digitais portuguesas foram lançadas em novembro de 2017 pela Aptoide, que conta com mais de 200 milhões de utilizadores, e podem ser utilizadas para serviços e trocas dentro de lojas de aplicações e dentro das respetivas apps. Neste momento, este protocolo já está operacional dentro da loja da Aptoide, que se tornou na primeira loja de aplicações do mundo a adotar e utilizar tecnologia blockchain.

Fundada em 2011, por Paulo Trezentos e Álvaro Pinto (que se junto ao projeto em 2012), a Aptoide disponibiliza aplicações móveis para smartphones, tablets e até SmartTV com sistema Android. A empresa está sediada em Lisboa e tem escritórios em Singapura e Shenzen (China). A loja de aplicações está disponível em mais de 40 línguas.

A startup portuguesa venceu recentemente um processo judicial contra a Google: queixava-se de ter sido eliminada da lista das apps seguras da Google Play Store, numa prática anticoncorrencial. Um tribunal português deu-lhe razão e, agora, a empresa vai pedir indemnização à gigante da tecnologia.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)