Rádio Observador

Indonésia

Indonésia ordena inspeção a todos os Boeing 737 MAX após acidente

As autoridades da Indonésia ordenaram esta terça-feira uma inspeção a todos os Boeing 737 MAX, um dia após a queda de um avião da Lion Air com 189 pessoas a bordo, anunciou o ministro dos transportes.

MATT CAMPBELL/EPA

As autoridades da Indonésia ordenaram esta terça-feira uma inspeção a todos os Boeing 737 MAX, um dia após a queda de um avião da Lion Air com 189 pessoas a bordo, anunciou o ministro dos transportes.

O Boeing 737 MAX 8 ao serviço da companhia indonésia de baixo custo Lion Air desapareceu dos radares na segunda-feira, 12 minutos depois de ter descolado do aeroporto de Jacarta em direção a Sumatra, tendo-se despenhado no mar, ao largo de Java, com 189 pessoas a bordo.

Hoje, o ministro dos Transportes, Budi Karya Sumadi, anunciou ter ordenado uma inspeção de “todos os Boeing 737 MAX”, sem, no entanto, os impedir de voar.

Dezenas de mergulhadores foram enviados para o local onde desapareceu o voo JT 610, cuja queda agrava a reputação de insegurança do setor aéreo indonésio.

Desde segunda-feira à noite, os serviços de socorro já não têm esperança de encontrar sobreviventes.

As equipas de socorro encheram até agora 10 sacos mortuários com pedaços de corpos, disse ao canal Metro TV o presidente da agência indonésia de busca e salvamento, Muhammad Syaugi.

Os restos foram enviados para o hospital da polícia de Jaarta para serem submetidos a testes de ADN.

As equipas recolheram também 14 sacos de destroços diversos, nomeadamente sapatos, dossiers ou roupa.

A prioridade, disse o porta-voz da agência, Yusuf Latif, citado pela AFP, é encontrar a carcaça do avião.

As duas caixas negras do aparelho ainda não foram encontradas pelos mergulhadores das equipas de resgate e ainda não foi possível apurar a causa do acidente.

O avião devia fazer a ligação entre Jacarta e Pangkal Pingang (Sumatra), um ponto de trânsito para turistas que tradicionalmente se deslocam depois para as praias de Belitung.

De acordo com a Lion Air, o Boeing estava ao serviço da empresa de viagens de baixo custo desde o passado mês de agosto.

O piloto e o copiloto tinham, em conjunto, 11 mil horas de voo e tinham feito recentemente testes médicos e análises de despistagem de drogas.

Edward Sirait, patrão da Lion Air, reconheceu na segunda-feira que a companhia procedeu a reparações no avião, em Bali, antes do último voo, mas não especificou a natureza da intervenção acrescentando que se tratou de “um procedimento normal”.

Segundo a BBC, que teve acesso ao relatório técnico do voo entre Bali e Jacarta, efetuado no passado domingo, verificava-se uma “falha de fiabilidade” num instrumento de medida de velocidade e divergências nas medidas de altitude entre os aparelhos do piloto e do copiloto.

A companhia Lion Air ainda não comentou a notícia da televisão britânica, apesar dos pedidos de esclarecimento.

A empresa construtura Boieng difundiu um comunicado em que afirma “um pesar profundo” e anunciou que está disposta a fornecer assistência técnica no quadro do inquérito sobre o acidente.

O fabricante norte-americano suspendeu a produção de 737 MAX no ano passado logo após a comercialização dos aparelhos evocando problemas nos motores.

A Lion Air é a principal companhia de baixo custo da indonésia e tinha anunciado em 2017 a compra de 50 Boeing 737 MAX.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)