Rádio Observador

Medicamentos

Utilização de medicamentos evitou mais de 110 mil mortes desde 1990

247

Um estudo sobre a realidade do medicamento em Portugal feito para a Apifarma conclui que a utilização de fármacos acrescentou dois milhões de anos de vida saudável aos portugueses.

O recurso a fármacos também permitiu aumentar em 280 milhões de euros o rendimento anual das famílias portuguesas, segundo o estudo

LUSA

A utilização de medicamentos evitou mais de 110 mil mortes e acrescentou dois milhões de anos de vida saudável aos portugueses desde 1990, conclui um estudo da Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (Apifarma), desenvolvido em colaboração com a consultora McKinsey & Company, que é apresentado esta terça-feira em Lisboa num congresso da associação subordinado ao tema “Compromisso com as Pessoas. Mais e Melhor Vida”.

De acordo com o estudo, que reúne dados sobre a realidade da utilização de medicamentos em Portugal ao longo das últimas quase três décadas, o recurso a fármacos também permitiu aumentar em 280 milhões de euros o rendimento anual das famílias portuguesas, ao dar a possibilidade aos doentes de voltarem à vida ativa mais rapidamente, e reduzir o número de hospitalizações, garantindo poupanças ao sistema de saúde.

O estudo baseia-se em informações de bases de dados portuguesas e mundiais, em fontes oficiais e em várias dezenas de entrevistas para avaliar o impacto humano, social e económico da utilização de medicamentos em Portugal, a partir de oito doenças selecionadas para refletir a diversidade de enfermidades que afetam os portugueses e os benefícios que os medicamentos podem ter em diferentes doenças — desde a diminuição dos sintomas à reversão da própria doença: VIH/sida; esquizofrenia; artrite reumatóide; diabetes; cancro do pulmão; insuficiência cardíaca crónica; cancro colo-rectal; e doença pulmonar obstrutiva crónica.

No que toca ao impacto humano, o estudo conclui que desde 1990 a utilização de medicamentos já permitiu adicionar dois mil milhões de anos de vida saudável aos portugueses. Esses anos de vida podem ser avaliados em entre 60 e 80 mil milhões de euros, tendo em conta a produtividade dos doentes e as poupanças em hospitalizações, entre outros fatores. Segundo o estudo da Apifarma, o benefício económico destes anos de vida saudável é superior ao dinheiro investido na produção de medicamentos. No mesmo período, a utilização de medicamentos evitou mais de 110 mil mortes em Portugal e contribuiu para o aumento de até 10 anos da esperança média de vida dos doentes.

Ao mesmo tempo, o estudo aponta os benefícios da introdução de terapias inovadoras e de novos medicamentos na redução da mortalidade em doenças como a sida ou o cancro colo-rectal, e na melhoria da qualidade de vida em doentes com esquizofrenia ou com doença pulmonar obstrutiva crónica.

Segundo o estudo da Apifarma, a utilização de medicamentos permitiu também ao Estado poupar cerca de 560 milhões de euros por ano nas últimas quase três décadas, evitando custos com hospitalizações, cirurgias, consultas e medicamentos sem receita médica. Segundo os autores, a poupança só nas oito doenças selecionadas para o estudo é suficientemente para cobrir os custos operacionais do Hospital de Santa Maria e do Hospital Pulido Valente todos os anos.

O estudo foca-se também no impacto da indústria farmacêutica na economia nacional, apresentando-a como um setor produtivo que contribui com mais de 4 mil milhões de euros para o PIB nacional e que emprega cerca de 50 mil pessoas em toda a cadeia de valor.

O congresso da Apifarma no qual vai ser apresentado o estudo decorre esta terça-feira no Centro de Congressos de Lisboa com a presença do secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Francisco Ramos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Medicamentos

Sobre as Matildes

Fernando Leal da Costa
138

Queixamo-nos de que pagamos demasiados impostos. Há quem prometa baixá-los, quem exija cortá-los, mas ninguém nos explica como sustentar o SNS onde os medicamentos tenderão a ficar cada vez mais caros

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)