Cinema

“Fahrenheit 11/9”: já ninguém liga à cruzada radical de Michael Moore

A fórmula cinematográfica e de "agit prop" de Michael Moore está esgotada, como se vê por este primário, prolixo e interminável documentário anti-Trump. Eurico de Barros dá-lhe uma estrela.

Autor
  • Eurico de Barros

Sabiam que Donald Trump é um Hitler em potência? E que com ele na Casa Branca, os EUA arriscam-se a ficar na mesma situação da Alemanha quando Hitler subiu ao poder nos anos 30? E que os eleitores de Donald Trump são um conjunto de supremacistas brancos, grunhos e malucos por armas? Estas são algumas das brilhantes revelações feitas em “Fahrenheit 11/9” por Michael Moore, que não consegue melhor do que recorrer à mais gasta e barbuda vulgata esquerdista anti-Trump para explicar a sua eleição. A verdade é que já ninguém liga a Moore e à sua cruzada radical, nem sequer nos EUA, onde este documentário capotou nas bilheteiras, com apenas seis milhões de dólares de receitas. Muito, muito longe dos 120 milhões de “Fahrenheit 9/11”, rodado em 2004, durante a presidência de George W. Bush e em cima da intervenção militar dos EUA no Afeganistão e no Iraque.

[Veja o “trailer” de “Fahrenheit 11/9”]

Há também um efeito de saturação anti-Trump que ajudou ao fracasso de “Fahrenheit 11/9”. Moore é agora apenas um entre muitos outros liberais e extremistas a atacar violentamente Trump ou a gozar com ele, dos jornais às televisões, e a sua fúria “agit prop” dissolve-se no meio da dos outros. Além de Donald Trump, o filme tem ainda outro alvo: as elites instaladas, privilegiadas e envelhecidas do Partido Democrata, que fazem tudo para impedir o advento de caras novas com ideias arejadas e muito à esquerda dentro do partido, e sabotaram a nomeação de Bernie Sanders para candidato a presidente dos EUA, escolhendo antes Hillary Clinton, a representante do “sistema”.

[Veja uma entrevista com Michael Moore]

Moore aparece aqui como apoiante do coração de Sanders, mas no seu filme anterior, “Michael Moore in Trumpland” (2016), o registo do seu “one man show” com o mesmo título e outro fracasso de bilheteira, o realizador cola-se Hillary Clinton depois da candidatura de Sanders ter falhado. E agora, em “Fahrenheit 11/9”, volta a virar o bico ao prego, a dar palmadinhas nas costas de Bernie Sanders (que entrevista com ar compungido) e a apontar um dedo acusador a Hillary, essa mulher deplorável e vendida ao capital, que cobra uma pequena fortuna para falar em público e nem sequer sabia o nome dos “rappers” que actuavam nos seus comícios de campanha.

[Veja o “trailer” de “Michael Moore in Trumpland”]

Como só tem banalidades propagandísticas, maniqueístas e catastrofistas para dizer, Michael Moore preenche uma boa parte de “Fahrenheit 11/9” com uma história sobre a contaminação com chumbo do rio da sua vila natal de Flint, no Michigan (por culpa do governador  Republicano do estado, claro, embora o realizador omita que os outros nomes ligados ao escândalo eram do Partido Democrata). O caso só por si daria outro filme e está aqui a acrescentar à gordura e à prolixidade do documentário e a salientar o desleixo com que foi feito, ainda maior do que o costume em Moore, e que os seus admiradores e apoiantes confundem com “arrojo formal” ou “estilo de cinema de guerrilha” . Numa das suas típicas encenações “de choque”, Michael Moore pega num camião-tanque cheio de água para ir regar a residência do governador. Mas como ficou ao portão, o jacto da mangueira nem a meio do jardim chega, e Moore acaba molhado porque está vento. Quase temos pena dele.

[Veja uma sequência do filme]

No resto deste primário, trapaceiro e disperso “Fahrenheit 11/9” , Michael Moore mostra-se desiludido com Barack Obama (só agora é que que soube que ele foi o candidato a presidente dos EUA mais financiado pela Goldman Sachs?), baba na gravata por meia-dúzia de activistas enre o castiço e o lunático e adolescentes imberbes que ele vê serem o futuro da esquerda nos EUA, abre outra chaveta para aplaudir a greve dos professores da Virginia Ocidental por melhores salários e assim acrescentar mais palha ao filme, desdobra-se em ataques e acusações avulsas, faz as suas fatigadas e manipuladoras montagens de imagens aleatórias, fora de contexto, prontas-a-indignar e pensadas para assustar, e deixa no ar um vago apelo à insurreição popular.

E tudo isto sem perceber que a eleição de Donald Trump, a carta mais fora do baralho de um sistema político americano gasto, desacreditado e desligado dos eleitores, foi, precisamente, uma clara, espontânea e esmagadora manifestação dessa mesma insurreição dos EUA profundos contra as elites instaladas, arrogantes, afastadas dos valores tradicionais e dos cidadãos anónimos, e politicamente correctas até à ameaça das liberdades mais elementares. Elites essas a que Michael Moore, o proletário “fake” e revolucionário de YouTube, finge – muito mal – não pertencer.       

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)