Rádio Observador

Assédio Sexual

Google. Richard DeVaul acusado de assédio sexual

Richard DeVaul, director da corporação X pertencente à Alphabet, companhia parceira da Google, abandonou a companhia na terça-feira, no seguimento de denúncias de assédio sexual.

Richard DeVaul, empresário da Alphabet, que pertence à Google, foi acusado de assédio sexual. Fonte: The New York Times

Richard DeVaul, director da corporação X pertencente à Alphabet, companhia parceira da Google, abandonou a companhia na terça-feira, no seguimento de denúncias de assédio sexual num artigo publicado pelo jornal The New York Times, na semana passada.

Em 2013, DeVaul terá assediado Star Simpson, engenheira informática, no decorrer de uma entrevista. Simpson afirmou que DeVaul lhe disse que ele e a sua mulher eram “poliamorosos”, uma palavra usada para descrever casamentos “abertos”. Além disso, ele também terá convidado Simpson a ir ao festival Burning Man, no estado do Nevada.

Quando Simpson denunciou o comportamento de DeVaul à Google, dois anos mais tarde, a companhia disse que iria puni-lo, embora não tenha explicado que ações iria tomar contra ele. Isto levou a que um conjunto de mulheres, que também trabalham para a Google, se tenham indignado com a forma como a empresa lidou com a acusação a DeVaul e tenham planeado fazer greve na quinta-feira. À greve irão juntar-se mais de mil pessoas, que ameaçam sair dos escritórios da Google em protesto.

Contrariamente ao que aconteceu com Andy Rubin, criador da Android, acusado pelo mesmo crime em 2014 e que terá recebido uma indemnização na ordem dos 90 milhões de dólares (cerca de 79 milhões de euros) para abandonar a empresa, DeVaul sai sem indeminização, avança o site Axious. 

Além disso, outros empresários revoltaram-se com o facto de Richard DeVaul ter continuado na empresa. O executivo da X continuou, inclusive, a ser promovido pela Google em notícias publicadas depois da acusação.

Sundar Pichai, diretor executivo da Google, escreveu num email aos funcionários, na terça-feira, que o pedido de desculpas da companhia face à acusação não foi suficiente e que quem aderisse à greve teria todo o apoio necessário.

O The New York Times teve acesso a outro email do responsável da X, Astro Teller, na sexta-feira, onde escreveu: “Provavelmente é difícil acreditar em mim neste momento, mas quero assegurar-vos de que levamos estes assuntos de uma forma muito séria, investigamos cada denúncia que recebemos e fazemos o que é correto de acordo com a informação que temos”.

A porta-voz da companhia confirmou que DeVaul não recebeu nenhuma indemnização para abandonar a empresa, mas não quis dar mais esclarecimentos.

Relativamente a DeVaul, o empresário não quis comentar. Antes de a notícia do alegado assédio ter sido publicada, ele apenas lamentou o “erro de julgamento”. Richard foi até há pouco tempo uma figura proeminente na companhia X, sendo o responsável por uma equipa encarregada de diversos projetos da mesma, pelo que era ele quem decidia o que ia ser desenvolvido ou não. Nos últimos meses, ocupava o cargo de diretor da “MadScience” na mesma empresa.

A Google tem sido confrontada nos últimos meses por pagar indemnizações para cobrir situações deste tipo e por continuar a contratar empresários ligados a condutas impróprias. Nos últimos dois anos, foram cerca de 48 os casos de assédio conhecidos ligados à empresa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)