O jornalista Jamal Khashoggi, morto na consulado saudita no início do mês, foi estrangulado assim que entrou no local. A confirmação é dada pelo procurador-geral de de Istambul, responsável por investigar o caso.

A informação foi divulgada em comunicado do procurador de Istambul, que confirmou ainda que, de acordo com o que já tinha sido avançado, o corpo jornalista foi desmembrado também dentro do consulado saudita. O procurador também confirma a informação que os restos mortais do jornalista retirados daquele edifício para parte incerta.

Esta notícia surge pouco depois de o procurador saudita responsável por investigar o caso ter saído da Turquia. O caso tem sido marcado pela difícil cooperação entre as entidades dos dois países em questão. Porém, durante a investigação levada a cabo pelas autoridades sauditas no seu consulado em Istambul, o procurador daquela cidade turca foi convidado a acompanhar os trabalhos.

De acordo com o jornal Daily Sabah, jornal anglófono próximo do regime turco, o comunicado do procurador de Istambul referia ainda que “não foram atingidos resultados concretos durante as reuniões com o procurador saudita, apesar das boas intenções”.

Caso Khashoggi. Os escândalos do príncipe saudita que “atira primeiro e pergunta depois”

[Em atualização]