Rádio Observador

Catalunha

Ministério Público espanhol pede 25 anos de prisão para Oriol Junqueras

O Ministério Público espanhol pediu 25 anos de prisão para Oriol Junqueras, ex-vice da Generalitat. A Abogacía del Estado, a pedido de Pedro Sánchez, pediu metade e ilibou-o do crime de rebelião.

Oriol Junqueras era vice de Carles Puigdemont

JOSEP LAGO/AFP/Getty Images

O Ministério Público espanhol anunciou esta sexta-feira as acusações dos líderes independentistas catalães associados ao referendo à independência da Catalunha de 1 de outubro de 2017. O organismo pediu 25 anos de prisão para Oriol Junqueras, ex-vice presidente da Generalitat, pelos crimes de rebelião e peculato. Na ausência de Carles Puigdemont, que continua a viver na Bélgica, Junqueras foi considerado “o máximo responsável” pelo processo independentista.

De acordo com o El País, o Ministério Público pediu ainda 17 anos de prisão para Jordi Cuixart, presidente da Òmnium Cultural, Jordi Sànchez, líder da Associação Nacional da Catalunha e Carmè Forcadell, ex-presidente do parlamento catalão, pelo crime de rebelião; 16 anos de prisão para cinco ex-conselheiros também por rebelião; e ainda sete anos para Carles Mundó, Santi Vila e Meritxell Borràs, todos antigos membros do Governo de Carles Puigemont. Para o ex-chefe dos Mossos d’Esquadra, Josep Lluís Trapero, são pedidos 11 anos de prisão por rebelião.

O Ministério Público não deixou então cair a acusação de rebelião, a mais grave de todas – ao contrário da Abogacía del Estado, o órgão que presta serviços jurídicos ao Estado e que depende do executivo. Após pressões de vários setores independentistas, o Governo de Pedro Sánchez acabou por solicitar à Abogacía del Estado que só acusasse os 18 líderes independentistas dos crimes de sedição e peculato, decisão essa que motivou muitas críticas por parte do Ciudadanos e do Partido Popular.

A Abogacía del Estado pediu então 12 anos de prisão para Oriol Junqueras – metade do que pediu o Ministério Público -, 11 anos para os cinco ex-conselheiros, dez para Carmè Forcadell, oito anos de prisão para Cuixart e Sànchez e sete para Mundó, Vila e Borràs.

A 25 de outubro, o Supremo Tribunal espanhol tinha dado por concluída a fase de instrução do processo relacionado com a tentativa de autodeterminação da Catalunha e decidiu avançar com o julgamento dos 18 líderes independentistas. Os réus irão a julgamento nos próximos meses – previsivelmente no início de 2019 – por terem declarado a independência da Catalunha de forma unilateral. Nove dos acusados encontram-se atualmente em prisão preventiva, como é o caso de Oriol Junqueras e de outros cinco ex-membros do executivo regional catalão.

Jordi Cuixart já reagiu à acusação através do Twitter. “Alguém pensa que 17 anos de prisão nos farão renunciar a objetivos, aos direitos e às liberdades nacionais?”, questionou o presidente da Òmnium. Também Pere Aragonès, atual vice-presidente da Generalitat, recorreu às redes sociais para enviar uma mensagem aos líderes independentistas. “Hoje o Estado espanhol escreveu a sua sentença, mas que saibam que este processo é imparável, não nos pararão com anos de pressão. O sistema judicial espanhol continua a alimentar uma farsa e quer condenar a vontade democrática de todo um povo”, escreveu Aragonès.

Também Carles Puigdemont comentou a acusação. Através de um vídeo publicado no Twitter, o ex-presidente da Generalitat pede “que se oiçam as vozes contra o abuso e a violação dos direitos humanos”.

Jordi Sánchez, que emitiu uma declaração a partir da prisão, acrescentou que todos “superarão a dor”. “Não o fazer seria dar razão aos políticos e juízes espanhóis que há um ano disseram que a repressão era a única resposta que a Catalunha merecia”.

(em atualização)

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)