As chuvas e os ventos fortes têm estado a assolar Itália desde o domingo passado. No espaço de seis dias, o balanço que se faz é trágico: 17  pessoas morreram, quase 14 milhões de árvores foram destruídas e os prejuízos calculam-se na ordem dos milhares de milhões de euros.

O balanço das vítimas mortais aumentou este sábado. Um porta-voz da Agência de Proteção Civil de Itália confirmou o falecimento de mais duas pessoas: um turista alemão que, na sexta-feira, foi atingido por um raio na ilha de Sardenha; e uma outra pessoa que se encontrava hospitalizada há vários dias, também devido a ferimentos causados por um raio.

Apesar da coincidência de causas, a maior parte das vítimas perdeu a vida depois de ser atingida pela queda de árvores. A Coldiretti, uma associação de empresas agrícolas italianas, informou, através de um comunicado que os vendavais destruíram cerca de 14 milhões de árvores. A maioria no norte do país. “Vamos precisar de pelo menos um século para regressar à normalidade”, anteviu.

A zona do nordeste foi, de resto, a mais afetada pela tempestade. Nas regiões de Trentino e Veneto, ambas no norte de Itália, os deslizamentos de terra têm obrigado ao corte de estradas. Já em Veneza, os estragos têm sido causados sobretudo pelas inundações.

Tempestade em Itália faz 12 mortos, submerge Veneza e provoca encerramento de escolas

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Angelo Borrelli, o chefe da agência de Proteção Civil, considerou ainda que a situação em Veneto, onde os ventos atingiram 180 quilómetros por hora, era “apocalíptica”. O vice-primeiro ministro italiano, Matteo Salvini, vai visitar a região amanhã.