Ucrânia

Activista ucraniana faleceu este domingo três meses depois de ser atacada com ácido

460

A ativista ucraniana anti-corrupção Kateryna Handziuk faleceu este domingo, três meses depois de ser atacada com ácido sulfúrico, tendo sofrido queimaduras em quase 40% do seu corpo.

AFP/Getty Images

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Há três meses, a ativista ucraniana anti-corrupção Kateryna Handziuk foi atacada com ácido sulfúrico. O ataque provocou-lhe queimaduras em quase 40% do seu corpo. Faleceu este domingo, incapaz de resistir aos ferimentos.

“Hoje morreu Katia (diminuitivo de Kateryna). A causa: não superou o ataque com ácido sulfúrico. Faleceu na sequência das queimaduras, porque despejaram um litro de ácido em cima da Katia e isso matou-a”, escreveu na sua página de Facebook uma comunidade de apoio à ativista.

O caso de Kateryna Handziuk, de 33 anos, que foi submetida a 11 intervenções cirúrgicas, causou emoção no país.

O presidente de Ucrânia, Petró Poroshenko, da Turquía, onde se encontra de visita, expressou condolências pela morte da ativista e fez um apelo às forças da ordem para “fazerem tudo o que é possível para apanhar e castigar os assassinos”.

A morte de Handziuk é um “veredito contra o sistema”, declarou a opositora e ex-primeira ministra Yulia Timoshenko, do partido no qual militou a ativista, e adiantou: “Algo anda mal quando a melhor gente morre em batalha diária”.

Em setembro passado, a ativista gravou um vídeo no qual criticou duramente o sistema judicial ucraniano.

“Sim, estou mal agora”, disse falando com dificuldade, mas acrescentou: “Pelo menos eu recebo tratamento. E estou segura de que estou melhor do que a Justiça e o sistema judicial ucraniano, porque ninguém tenta melhorá-los”.

Na ocasião, denunciou que no ano passado foram perpetrados mais de 40 ataques contra ativistas, e perguntou porquê e quem paralisa as investigações.

Handziuk foi atacada com ácido em 31 de julho quando saía de casa para o trabalho, na cidade meridional de Jersón, onde desempenhava também a função de assessora do presidente da câmara.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ucrânia

Mais umas eleições falsas em Donbas

Inna Ohnivets

A Rússia não quis a paz em 2014 e não quer em 2018. A realização destas eleições fraudulentas é um sinal claro de que a Rússia optou por prolongar o conflito durante mais anos sob o mesmo cenário. 

Ucrânia

Guerras religiosas voltam ao mundo cristão /premium

José Milhazes
170

Na Ucrânia, presentemente, existentes três igrejas ortodoxas (a do Patriarcado de Kiev, a Autocéfala e a do Patriarcado de Moscovo) e ninguém sabe como irão elas repartir os templos ortodoxos do país.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)