Rádio Observador

Eurogrupo

Eurogrupo discute chumbo de orçamento italiano à espera da resposta de Roma

Os ministros das Finanças da zona euro vão discutir esta segunda-feira o chumbo de Bruxelas ao projeto de orçamento para 2019 de Itália. Esta é a primeira vez que um orçamento é devolvido .

Os ministros das Finanças da zona euro deverão limitar-se a dar a sua opinião sobre uma situação que é inédita

JULIEN WARNAND/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O fórum de ministros das Finanças da zona euro, presidido por Mário Centeno, discute esta segunda-feira o “chumbo” de Bruxelas ao projeto de orçamento para 2019 apresentado por Itália, ainda na expectativa de qual será a resposta do Governo italiano.

A 23 de outubro, e pela primeira vez desde a instituição do “semestre europeu” de coordenação de políticas económicas e orçamentais, a Comissão Europeia pediu a um Estado-membro que reformulasse o seu projeto orçamental, dado a proposta de Itália apresentar uma derrapagem orçamental “sem precedentes” na história do Pacto de Estabilidade e Crescimento, derrapagem essa assumida pelo Governo italiano como uma opção política face ao atraso na recuperação económica no país.

De acordo com as regras, sempre que a Comissão Europeia emite um parecer sobre um plano orçamental, seja ele final ou intermédio, o mesmo tem de ser discutido no Eurogrupo, o que sucederá então na reunião desta segunda-feira em Bruxelas, embora não seja expectável um debate sobre os passos a seguir, até porque Roma ainda tem até meados de novembro para apresentar um novo documento.

Os ministros das Finanças da zona euro deverão limitar-se a dar a sua opinião sobre uma situação que é inédita (nunca um orçamento havia sido “devolvido” a um Estado-membro) e “aguardar serenamente e depois ver como agir”, em função da resposta de Itália, sendo que deverá registar-se um apoio generalizado ao parecer do executivo comunitário.

No dia do anúncio da rejeição do projeto orçamental, o Governo “antissistema” italiano garantiu que não alteraria “nem um euro” ao seu orçamento para 2019, mas se Itália se negar a apresentar um novo documento, a Comissão Europeia deverá abrir um procedimento, que poderá culminar em sanções. O presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, já considerou natural a decisão da Comissão Europeia de pedir a Itália que reformule o seu projeto orçamental para 2019, considerando que Bruxelas está simplesmente a aplicar “as regras que sustentam o euro”, e instou Roma e Bruxelas a manterem um “diálogo construtivo”.

Na reunião de haverá também lugar a uma primeira apreciação dos projetos orçamentais dos restantes países-membros da zona euro, mas sem qualquer decisão, já que a Comissão Europeia deverá emitir os seus pareceres apenas na segunda quinzena de novembro.

Na sequência da apresentação dos planos orçamentais dos países membros da zona euro a Bruxelas até 15 de outubro, Portugal foi um dos seis países aos quais a Comissão Europeia pediu algumas “clarificações” sobre o projeto orçamental para 2019, mas, tal como Bélgica, Eslovénia, Espanha e França, não suscita inquietações de maior, sendo o caso “muito distinto” do italiano, como já admitiu Bruxelas.

A reunião do Eurogrupo desta segunda-feira será ainda palco de mais uma ronda de discussões sobre a reforma da zona euro, a pouco mais de dois meses da Cimeira de dezembro, na qual deverão ser tomadas “decisões concretas” para o aprofundamento da União Económica e Monetária.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)