Eurogrupo

Eurogrupo discute chumbo de orçamento italiano à espera da resposta de Roma

Os ministros das Finanças da zona euro vão discutir esta segunda-feira o chumbo de Bruxelas ao projeto de orçamento para 2019 de Itália. Esta é a primeira vez que um orçamento é devolvido .

Os ministros das Finanças da zona euro deverão limitar-se a dar a sua opinião sobre uma situação que é inédita

JULIEN WARNAND/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O fórum de ministros das Finanças da zona euro, presidido por Mário Centeno, discute esta segunda-feira o “chumbo” de Bruxelas ao projeto de orçamento para 2019 apresentado por Itália, ainda na expectativa de qual será a resposta do Governo italiano.

A 23 de outubro, e pela primeira vez desde a instituição do “semestre europeu” de coordenação de políticas económicas e orçamentais, a Comissão Europeia pediu a um Estado-membro que reformulasse o seu projeto orçamental, dado a proposta de Itália apresentar uma derrapagem orçamental “sem precedentes” na história do Pacto de Estabilidade e Crescimento, derrapagem essa assumida pelo Governo italiano como uma opção política face ao atraso na recuperação económica no país.

De acordo com as regras, sempre que a Comissão Europeia emite um parecer sobre um plano orçamental, seja ele final ou intermédio, o mesmo tem de ser discutido no Eurogrupo, o que sucederá então na reunião desta segunda-feira em Bruxelas, embora não seja expectável um debate sobre os passos a seguir, até porque Roma ainda tem até meados de novembro para apresentar um novo documento.

Os ministros das Finanças da zona euro deverão limitar-se a dar a sua opinião sobre uma situação que é inédita (nunca um orçamento havia sido “devolvido” a um Estado-membro) e “aguardar serenamente e depois ver como agir”, em função da resposta de Itália, sendo que deverá registar-se um apoio generalizado ao parecer do executivo comunitário.

No dia do anúncio da rejeição do projeto orçamental, o Governo “antissistema” italiano garantiu que não alteraria “nem um euro” ao seu orçamento para 2019, mas se Itália se negar a apresentar um novo documento, a Comissão Europeia deverá abrir um procedimento, que poderá culminar em sanções. O presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, já considerou natural a decisão da Comissão Europeia de pedir a Itália que reformule o seu projeto orçamental para 2019, considerando que Bruxelas está simplesmente a aplicar “as regras que sustentam o euro”, e instou Roma e Bruxelas a manterem um “diálogo construtivo”.

Na reunião de haverá também lugar a uma primeira apreciação dos projetos orçamentais dos restantes países-membros da zona euro, mas sem qualquer decisão, já que a Comissão Europeia deverá emitir os seus pareceres apenas na segunda quinzena de novembro.

Na sequência da apresentação dos planos orçamentais dos países membros da zona euro a Bruxelas até 15 de outubro, Portugal foi um dos seis países aos quais a Comissão Europeia pediu algumas “clarificações” sobre o projeto orçamental para 2019, mas, tal como Bélgica, Eslovénia, Espanha e França, não suscita inquietações de maior, sendo o caso “muito distinto” do italiano, como já admitiu Bruxelas.

A reunião do Eurogrupo desta segunda-feira será ainda palco de mais uma ronda de discussões sobre a reforma da zona euro, a pouco mais de dois meses da Cimeira de dezembro, na qual deverão ser tomadas “decisões concretas” para o aprofundamento da União Económica e Monetária.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)