Estados Unidos da América

James “Whitey” Bulger, o famoso mafioso de Boston, foi espancado até à morte

"Whitey" Bulger, que estava a cumprir pena numa prisão de alta segurança na Virgínia, foi encontrado morto no final de outubro. Agora sabe-se que foi espancado até à morte. FBI desconfia da máfia.

James "Whitey" Bulger cumpriu pena em Alcatraz. O criminoso deu entrada na prisão de San Francisco a 16 de novembro de 1959

James “Whitey” Bulger, antigo líder do grupo criminoso Winter Hill Gang, sediado em Boston, foi espancado até à morte a 30 de outubro, apenas algumas horas depois de ter chegado à prisão de alta segurança de Hazelton, em Bruceton Mills, no oeste da Virgínia. “Whitey” Bulger tinha sido transferido de um estabelecimento na Florida, onde estava a cumprir pena perpétua desde a sua condenação em junho de 2011, depois de ter conseguido escapar às autoridades durante mais de 16 anos, refere a CNN. Segundo a Associated Press, a transferência de Bulger da prisão de Coleman para Hazelton deveu-se a questões disciplinares.

O mafioso de origem irlandesa foi encontrado morto por volta das 8h20 numa área frequentada por todos os reclusos, onde terá sido atacado por mais do que uma pessoa. As autoridades já terão identificado dois suspeitos de terem participado no espancamento de “Whitey”. Um deles será Paul J. DeCologero, de 44 anos, membro de uma organização criminosa da zona norte de Massachusetts, conhecida pela “DeCologero Crew” e liderada pelo tio, refere a Associated Press, citando uma fonte oficial.

DeCologero foi condenado à prisão perpétua em 2006 por vários crimes, nomeadamente pela tentativa de assassinato de uma jovem de 19 anos, Aislin Silva, por ordem do tio. O líder da “DeCologero Crew” temia que Silva traísse o grupo e divulgasse informações importantes à polícia. Paul J. DeCologero tentou matá-la com uma overdose de heroína mas a droga não funcionou. Um outro membro da organização criminosa partiu-lhe o pescoço, desmembrou-a e enterrou os seus restos mortais num bosque. Apesar das alegadas ligações de DeCologero à morte de Bulger, Jeanne Kempthorne, advogada que o representou no último recurso, disse à Associated Press que não parece existir qualquer motivos para o mafioso de Massachusetts estar envolvido no caso.

O outro suspeito será Fotios “Freddy” Geas, um assassino contratado que costumava trabalhar para uma organização criminosa de Massachusetts, revelou uma outra fonte, próxima da investigação, à Associated Press. Apesar da sua associação à máfia, “Freddy” Geas não era um membro oficial porque era grego e não italiano. O criminoso de 51 anos está a cumprir pena perpétua em Hazelton juntamente com o irmão. Os dois homens foram condenados em 2011 por vários crimes violentos, incluindo o assassinato de Adolfo “Big Al” Bruno, um mafioso de origem genovesa que foi alvejado num parque de estacionamento em Springfield, Massachusetts, em 2003. “Big Al” foi morto porque falou com o FBI.

Os motivos que levaram à morte de Bulger permanecem por esclarecer. Um antigo investigador do FBi deu a entender à Associated Press que o motivo pode ser muito simples — “Freddy” Geas, cujo envolvimento é dado como quase certo pela imprensa norte-americana, odeia delatores. Elie Honig, ex-procuradora, também acredita nesta possibilidade, explicando num artigo publicado na CNN que, apesar de o líder do Winter Hill Gang sempre ter negado ter transmitido qualquer tipo de informação, este terá fornecido pormenores sobre assassinatos e redes de tráfico de droga aos procuradores.

A analista legal da CNN acredita que o assassinato de Bugler pode ter ainda uma outra explicação: apesar de, tanto quanto se sabe, nunca se ter encontrado com Geas, este último sempre procurou desesperadamente ser reconhecido dentro da máfia como alguém “capaz de se comprometer com qualquer ato de violência”. “Uma vez que já está a cumpri uma sentença de prisão perpétua, Geas tinha uma reputação para ganhar e pouco a perder”, afirmou Elie Honig, explicando que apesar de, na teoria, “Freddy” poder ser condenado à pena de morte se se confirmar o envolvimento no assassinato de “Whitey” Bulger, isso raramente acontece no estado da Virgínia.

Bulger destacou-se como um dos gangsters mais famosos de Boston e inspirou filmes como “The Departed, Entre Inimigos”, protagonizado por Jack Nicholson e realizado por Martin Scorsese, e “Black Mass”. O último, filme feito a partir do livro “Black Mass: The True Story of an Unholy Alliance Between the FBI and the Irish Mob”, retrata a vida de Bulger e tem Johnny Depp como protagonista, no papel do mafioso de Boston.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)