Rádio Observador

Monumentos

Bilhetes para o Castelo de São Jorge e Padrão dos Descobrimentos vão ficar mais caros

130

As entradas no Castelo de São Jorge e no Padrão dos Descobrimentos, em Lisboa, vão ficar mais caras, aponta uma versão preliminar dos instrumentos de gestão provisional da EGEAC.

José Ribeiro/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

As entradas no Castelo de São Jorge e no Padrão dos Descobrimentos, em Lisboa, vão ficar mais caras, aponta uma versão preliminar dos instrumentos de gestão provisional da EGEAC, empresa que gere estes equipamentos.

“Tendo efetuado uma análise comparativa (em Portugal e no estrangeiro) aos valores de ingressos em monumentos de importância similar e concluído que os valores praticados pela EGEAC são inferiores à média, em 2019 pretendemos também ajustar os preços dos bilhetes de entrada no Castelo de São Jorge (de 8,5 euros para 10 euros) e no Padrão dos Descobrimentos (de 5 euros para 6 euros)”, refere o documento, ao qual a agência Lusa teve esta terça-feira acesso.

De acordo com informação da Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural – EGEAC, o aumento no preço dos bilhetes vai ser sentido “a partir de janeiro de 2019”.

A EGEAC ressalva que “as tabelas de descontos introduzidas em 2018 preveem diversos mecanismos que acautelam a possibilidade de plena fruição desses monumentos por parte dos residentes em Lisboa, os jovens e os seniores”.

Na nota enviada à agência Lusa, a empresa refere que os residentes em Portugal podem visitar monumentos e museus gratuitamente aos domingos e feriados, até às 14:00, e que no âmbito do acordo de governação do município de Lisboa, celebrado entre PS e BE após as últimas eleições autárquicas, “os residentes em Lisboa menores de 18 anos e maiores de 65 anos estão isentos, assim como desempregados”.

Quanto a descontos mais generalizados, em que se incluem os visitantes que não habitam na capital, é apontado que “as crianças até aos 12 anos estão isentas em todos os monumentos e museus da EGEAC, os jovens até aos 18 anos terão 50% de desconto, os maiores de 65 anos, assim como as pessoas com necessidades especiais, 15% de desconto”.

A empresa adiantou também à Lusa que não estão previstas alterações ao tarifário de outros equipamentos.

Ainda ao nível da bilhética, a empresa compromete-se a “continuar a desenvolver a venda integrada ‘online’ de bilhetes iniciada em 2018, que potencia não apenas receita, como a divulgação dos espaços e a gestão dos fluxos de público”.

Os instrumentos, que foram apreciados pela Câmara de Lisboa e serão agora discutidos em Assembleia Municipal, estimam que o Castelo de São Jorge receba cerca de dois milhões e 40 mil visitantes este ano, número que deverá crescer para mais 50 mil em 2019.

Já o Padrão dos Descobrimentos, em Belém, deverá ser visitado por mais de 295 mil pessoas este ano e 359 mil em 2019.

No documento, a EGEAC estima que no próximo ano este monumento “apresente um balanço positivo no que respeita a resultados, graças ao cenário de crescimento de públicos, ao trabalho interno no sentido da sua participação, maior envolvimento e fidelização – com especial atenção ao público nacional – e a uma programação dinâmica, suportada pelas estratégias de comunicação que concorrem para uma maior notoriedade, afirmação do projeto e identidade”.

“As estratégias desenhadas para 2019 procuram estimular e reforçar a presença dos segmentos infantil, juvenil e sénior, prevendo também formas para cativar estes públicos no período de verão”, acrescenta o texto.

A empresa municipal traça, também, como objetivo incrementar “a organização de visitas guiadas para público cego e público surdo”, bem como disponibilizar “visitas guiadas em inglês, tanto no que respeita à visita guiada ao monumento como na visita às exposições patentes”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)