Rádio Observador

República Centro Africana

Conflito na RCA não tem fim à vista e está a ficar parecido com o da Síria alerta ONG

A situação político-militar na República Centro-Africana está em degradação contínua e o conflito está a ser internacionalizado e a ganhar características semelhantes ao da Síria, alerta uma ONG.

TANYA BINDRA/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A situação político-militar na República Centro-Africana (RCA) está em degradação contínua e o conflito, que parecia uma guerra civil, está a ser internacionalizado e a ganhar características semelhantes ao da Síria, alertou esta terça-feira uma organização não-governamental (ONG).

Num relatório colocado no sítio na internet desta ONG, a Enough Project, em que salientou a importância da internacionalização do conflito, a analista Nathalia Dukkan escreveu que este “não tem fim à vista” e que “o país se tornou ingovernável” e está a “afundar-se numa crise estrutural”.

Dado o predomínio da violência como argumento político, aos atores políticos tradicionais é colocada a opção: “Ou saem de cena ou participam na violência”, sintetizou.

No documento em que detalha 18 grupos armados que disputam o poder e os recursos naturais do país, Dukkan avançou que “o empresariado político-criminoso enraizou-se profundamente, sendo uma atividade florescente”.

Por outro lado, a proliferação destes grupos, que atraem jovens das áreas rurais e mercenários dos países vizinhos, juntamente com o tráfico transnacional de armas e recursos naturais, “apresenta riscos muito elevados para toda a região da África Central”.

A autora relativiza, por outro lado, a leitura de guerra religiosa que, por vezes, é feita para descrever o conflito na RCA.

“À primeira vista, o conflito apresenta todos os sintomas de uma guerra entre comunidades étnicas e religiosas”, adiantou, para de imediato questionar esta leitura.

“Usada como arma de guerra, a violência sectária pretende dividir e incitar o ódio entre comunidades. Na ausência do Estado de Direito, os atingidos procuram proteção junto dos mesmos atores que alimentam o crescendo de tensões. Estes ‘protetores’ procuram, de facto, uma base popular de legitimidade. [Para tal] exploram uma espécie de solidariedade étnica ou religiosa para recrutar jovens combatentes e obterem fundos”, contrapôs.

A analista da Enough Project, ONG criada e dirigida por John Prendergast, salientou no seu texto a internacionalização do conflito, em resultado da confluência das agendas de vários Estados estrangeiros e dos “medos paranoicos” da equipa presidencial com um eventual golpe de Estado.

Classificando o Presidente Faustin-Archange Touadéra como impopular no seu país e na África Central, Dukkan diz que este está agarrado ao poder, que espera manter com uma cooperação militar e económica com o eixo Sudão-Rússia-China.

No documento, detalhou a crescente influência russa no país, desde janeiro de 2018. Até agora, os russos forneceram armas, colocaram instrutores militares, apontaram um conselheiro especial do presidente (Valery Zakharov), que tem a cargo o ‘dossiê’ da segurança, as suas forças especiais garantem a segurança de Touadéra e planeiam formar militares centro-africanos nas suas academias militares, pormenorizou.

Em troca, a presidência da RCA outorgou contratos e concessões mineiras a empresas russas, designadamente à Lobaye Invest, para explorar ouro e diamantes.

Dukkan mencionou também a Sewa Security, criada em 2018, que “parece ser o representante local do muito controverso Wagner Group, por vezes descrito como o exército privativo de Vladimir Putin”.

A luta pela influência na RCA, que envolve os grandes poderes, como China, Estados Unidos da América, França e Rússia, e regionais, como África do Sul, Chade e Sudão, estão a alimentar tensões e instabilidade, sintetiza a analista.

Portugal participa na missão da ONU no país (MINUSCA), que é comandada pelo tenente-general senegalês Balla Keita, o qual já classificou as forças portuguesas como os seus “Ronaldos”.

“Ronaldo é o melhor jogador do mundo e quando as nossas tropas são classificadas de ‘Ronaldos’ isso tem uma leitura muito clara. Sentimos orgulho pela forma como o seu trabalho é reconhecido”, disse o ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, à agência Lusa.

Portugal também integra e lidera a Missão Europeia de Treino Militar-República Centro-Africana (EUMT-RCA), comandada pelo brigadeiro-general Hermínio Teodoro Maio.

A EUTM-RCA, que está empenhada na reconstrução das forças armadas do país, tem 45 militares portugueses, entre os 170 de 11 nacionalidades que a compõem.

A República Centro-Africana caiu no caos e na violência em 2013, depois do derrube do ex-Presidente François Bozizé por vários grupos juntos na designada Séléka (que significa coligação na língua franca local), o que suscitou a oposição de outras milícias, agrupadas sob a designação anti-Balaka.

O conflito neste país, com o tamanho da França e uma população que é menos de metade da portuguesa (4,6 milhões), já provocou 700 mil deslocados e 570 mil refugiados, e colocou 2,5 milhões de pessoas a necessitarem de ajuda humanitária.

O governo do Presidente, Faustin-Archange Touadéra, um antigo primeiro-ministro que venceu as presidenciais de 2016, controla cerca de um quinto do território.

O resto é dividido por mais de 15 milícias que, na sua maioria, procuram obter dinheiro através de raptos, extorsão, bloqueio de vias de comunicação, recursos minerais (diamantes e ouro, entre outros), roubo de gado e abate de elefantes para venda de marfim.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brasil

Em nome do Brasil, peço desculpas /premium

Ruth Manus

Não, eu não elegi este governo. Mas o meu país o fez. Parte por acreditar na política do ódio, parte por ignorância, parte por ser vítima das tantas fake news produzidas ao longo do processo eleitoral

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)