PCP

Jerónimo diz que PCP identifica-se com intervenções de Marcelo sobre Tancos. “O Presidente da República é muito prolixo”

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, comentou em Bruxelas que “o Presidente da República é muito prolixo”, mas dá razão às diversas intervenções de Marcelo Rebelo de Sousa sobre o caso Tancos

Jerónimo de Sousa, o secretário-geral do Partido Comunista Português.

Tiago Petinga/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, comentou esta terça-feira em Bruxelas que “o Presidente da República é muito prolixo”, mas dá razão às diversas intervenções de Marcelo Rebelo de Sousa a reclamar o apuramento da verdade no caso de Tancos.

Em declarações à imprensa à margem de um encontro do Grupo de Esquerda Unitária no Parlamento Europeu, Jerónimo de Sousa, questionado sobre as insistentes intervenções do chefe de Estado em torno do furto e reaparecimento de material militar em Tancos, disse que “o Presidente da República é muito prolixo”, mas sublinhou que o PCP se identifica com o sentido das suas declarações, pois há que esclarecer “um processo muito nebuloso”.

“O Presidente da República é muito prolixo. Enfim, se fala muito, se fala pouco, naturalmente é questionado e procurará responder, mas ainda não fiz nenhum juízo de valor sobre se fala muito ou se fala pouco, ele lá sabe. A sua posição de exigência de apuramento de verdade, de dar curso à investigação criminal, [ele] tem referido sempre essa questão, nós identificamo-nos com esse objetivo”, declarou.

Segundo Jerónimo de Sousa, a polémica atual em torno de um “conjunto de declarações” não altera a “posição de fundo” do PCP, “designadamente à necessidade de aprofundar a investigação criminal, particularmente em torno de saber quem roubou e por que é que roubou”, que considerou “dois elementos importantes”.

“Está também a decorrer o inquérito parlamentar na Assembleia da República, e creio que, com esta combinação — o apuramento da verdade por parte das forças de investigação criminal com o próprio debate na comissão de inquérito — é possível encontrar e dar visibilidade a todo um processo muito nebuloso, como todos estaremos de acordo”, declarou o líder do Partido Comunista.

Jerónimo de Sousa reforçou que o apuramento da verdade é absolutamente necessário para que o caso do roubo de material militar de Tancos “não se transforme num folhetim permanente sem respostas concretas”.

“Dê-se força à investigação criminal, faça-se o inquérito, apure-se as responsabilidades e tire-se daí todas as consequências”, concluiu.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Salazar /premium

Helena Matos

Os actuais líderes não têm discurso, têm sim objectivos: manter-se ou chegar ao poder, através da popularidade e não da política. Logo precisam do passado e de Salazar para falarem de política.

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)