Brexit

May garante aos seus ministros que não aceita acordo com a União Europeia sobre Brexit “a qualquer custo”

A primeira-ministra britânica afirmou aos seus ministros que o Reino Unido quer alcançar um acordo com a União Europeia o quanto antes, mas avisou que isso não poderá acontecer "a qualquer custo".

VIDAR RUUD/EPA

A primeira-ministra britânica, Theresa May, afirmou esta terça-feira aos seus ministros que o Reino Unido quer alcançar um acordo com a União Europeia o quanto antes, mas garantiu que isso não poderá acontecer “a qualquer custo”.

Após a reunião semanal do conselho de ministros, um porta-voz de Downing Street disse que May reiterou a sua confiança de que o Reino Unido conseguirá alcançar com a União Europeia condições de saída negociadas. “Negociamos no interesse geral e devemos ter a satisfação de obter o melhor acordo possível para o Reino Unido”, disse Theresa May, citada pelo porta-voz.

A primeira-ministra recordou, no entanto, que, mesmo que Londres e Bruxelas cheguem a acordo sobre as condições de saída, o que inclui o difícil tema da fronteira entre a República da Irlanda e a província Irlanda do Norte, faltará ainda negociar as bases da futura relação comercial entre o Reino Unido e a UE. “Uma vez negociada a saída, continuará a ser verdade que nada está acordado até que tudo esteja acordado, pelo que tudo estará sujeito a que se chegue a uma futura base de trabalho aceitável”, disse a primeira-ministra, segundo o porta-voz.

Os media britânicos especularam nos últimos dias sobre a possibilidade de um acordo iminente entre Londres e Bruxelas, mas o primeiro-ministro da República da Irlanda, Leo Varadkar, disse que não aceitará qualquer situação que permita ao Reino Unido retirar-se unilateralmente da cláusula de segurança que prevê manter a Irlanda do Norte na união aduaneira até se alcançar uma nova relação comercial entre as partes, o que pode levar anos.

May garantiu esta terça-feira ao seu governo que voltará a convocar o conselho de ministros antes de assinar qualquer acordo com Bruxelas, enquanto o porta-voz disse que, de momento, não está previsto qualquer outro encontro antes da reunião semanal da próxima terça-feira.

O Reino Unido deverá sair da União Europeia (UE) a 29 de março de 2019, mas as duas partes ainda não chegaram a acordo, o que suscita receios de uma saída sem acordo, que teria consequências muito negativas para todos.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, disse recentemente que 95% do acordo de saída está fechado, permanecendo por resolver a questão da fronteira entre a Irlanda e a Irlanda do Norte.

O Reino Unido e a UE concordam que não deve haver uma fronteira rígida, mas rejeitam as propostas um do outro.

A cimeira europeia de 17 e 18 de outubro, que tinha sido apontada como prazo para uma solução, terminou num impasse, mas tanto Londres como Bruxelas afirmaram que ainda é possível chegar a acordo e as negociações continuam desde então.

O acordo que vier a ser alcançado tem de ser aprovado pelo Parlamento Europeu (PE) e pelo Parlamento britânico.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Religião

O Dia Mundial da Religião

Donizete Rodrigues

O Dia Mundial da Religião é um momento ecuménico para promover a convivência, o interconhecimento e o diálogo inter-religioso, buscando um futuro livre de preconceito, discriminação e intolerância.

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)