Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Asia Bibi, paquistanesa cristã de 47 anos que estava presa no corredor da morte há oito anos, acusada do crime de blasfémia, foi libertada esta quarta-feira e estará a caminho de um outro país.

A notícia foi avançada pela Agência France Press, que conseguiu confirmar a informação junto do advogado da paquistanesa. “Ela foi libertada. Disseram-me que ela está num avião, mas ninguém sabe onde ela vai aterrar”, declarou Saif-ul-Malook à agência. Bibi foi libertada mas continuou sob custódia das autoridades paquistanesas, por razões de segurança, já que a decisão do Supremo Tribunal de ilibar a cristã há cerca de uma semana foi recebida com violentos protestos nas ruas de Islamabad.

Fonte oficial do Ministério dos negócios estrangeiros, Muhammad Faisal, afirma que Bibi “encontra-se num local seguro no Paquistão”, neste momento.

O crime de Bibi, que a fez ser inicialmente condenada à morte, foi o de ter insultado o profeta Maomé numa discussão com vizinhos, em 2010. A cristã nega que o tenha feito.

A reação extremada dos grupos islamitas mais conservadores, que protestaram a decisão do Supremo de ilibar Bibi, levou a que o seu marido e filhos tivessem de se esconder. “Ajudem-nos a sair do Paquistão. Estamos muito preocupados porque as nossas vidas estão em perigo”, declarou o marido Ashiq Maish à organização cristã Ajuda à Igreja que Sofre. Na passada semana, a família anunciou que pediu asilo em vários países como o Reino Unido, o Canadá ou os Estados Unidos.

Família de Asia Bibi pede asilo ao Reino Unido, Canadá e Estados Unidos

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Esse pode agora ser um dos destinos para onde Bibi está a ser levada, mas será mantido em segredo até a paquistanesa estar em segurança.

O Islão é a religião nacional do Paquistão e o apoio popular às leis sobre a blasfémia é forte. Alguns políticos mais radicais, como relembra a BBC, têm apoiado algumas das penas pesadas por este crime. Ao todo, 65 pessoas já terão sido mortas no Paquistão por este crime desde 1990.