BMW

BMW vai contratar para centros digitais em Lisboa e no Porto

A alemã BMW vai estar na cimeira tecnológica Web Summit para contratar para os centros tecnológicos que vai inaugurar na quinta-feira em Lisboa e no Porto, e vão criar 500 postos de trabalho.

LAURENT DUBRULE/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A alemã BMW vai estar na cimeira tecnológica Web Summit para contratar para os centros tecnológicos que vai inaugurar na quinta-feira em Lisboa e no Porto, e vão criar 500 postos de trabalho.

Em declarações à agência Lusa, o diretor do departamento de informática do grupo BMW, Klaus Straub, explicou que “cerca de 200 pessoas já trabalham” nos dois centros de ‘software’ e tecnologias de informação agora inaugurados, relativos à ‘joint venture’ Critical TechWorks, sendo esperada a entrada de mais 30 pessoas ainda este ano.

“Para 2019, está projetado um aumento no número de funcionários para um total de pelo menos 500”, acrescentou o responsável, adiantando que, “a longo prazo, é esperado um acréscimo nos colaboradores até um número de quatro dígitos”.

Por essa razão, a BMW e a Critical Software – parceira na iniciativa – vão aproveitar a Web Summit na quinta-feira para “apresentar a Critical TechWorks” aos interessados e para lhes proporcionar “a oportunidade de se candidatarem a uma entrevista ‘in loco'”.

Para isso, haverá “um concurso de programação”, sendo que “os candidatos que impressionarem com as suas capacidades […] receberão uma entrevista de emprego no local”, notou Klaus Straub.

Aos funcionários da Critical TechWorks caberá criar “soluções de entretenimento para o carro e serviços digitais num contexto da mobilidade individual, através de sistemas de transporte autónomos”, ao mesmo tempo que irão produzir e gerir “plataformas digitais de vendas e pós-venda com armazenamento de dados”.

O responsável explicou que, como o objetivo era “começar logo a trabalhar”, a Critical TechWorks já está localizada em “espaços temporários em Lisboa e no Porto”, prevendo “mudar-se para novos escritórios a curto prazo”.

“Em Lisboa, vamos passar em dezembro para um edifício junto a Entrecampos, com 4.000 metros quadrados, enquanto no Porto vamos passar para um escritório com 5.000 metros quadrados no Palácio dos Correios, que está em obras”, precisou.

Questionado sobre o investimento associado, Klaus Straub escusou-se a divulgar “detalhes sobre as relações financeiras com os parceiros”, indicando só que a BWM detém 51% do projeto Critical TechWorks.

Já quanto aos motivos para a localização do projeto em Portugal, o responsável da BMW referiu que “a decisão […] foi tomada independentemente de qualquer subsídio estatal”.

“Portugal oferece as condições ideias”, observou Klaus Straub, aludindo “aos excelentes transportes públicos e boas infraestruturas de telecomunicações”, bem como aos “apoios governamentais ao investimento e à estabilidade regulatória, económica e social”.

Além disso, “todos os anos, milhares de talentos altamente qualificados completam a sua formação em tecnologia nas universidades do país, antes de entrarem em ‘startups’ portuguesas e em empresas consolidadas”, adiantou.

O anúncio oficial do projeto acontece na quinta-feira, na Web Summit, a partir das 09:45 no ‘stand’ da marca.

Na terça-feira, a também alemã Volkswagen inaugurou um projeto semelhante em Lisboa, um novo centro de desenvolvimento de ‘software’ que levará à contratação de 300 especialistas.

Além destas, a Mercedes-Benz vai ter um centro digital a funcionar no Hub Criativo do Beato.

A Web Summit termina na quinta-feira no Altice Arena (antigo Meo Arena) e na Feira Internacional de Lisboa (FIL), sendo esperados mais de 70 mil participantes de 170 países naquela que é a terceira edição de 13 previstas em Lisboa.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)