BMW

BMW vai contratar para centros digitais em Lisboa e no Porto

A alemã BMW vai estar na cimeira tecnológica Web Summit para contratar para os centros tecnológicos que vai inaugurar na quinta-feira em Lisboa e no Porto, e vão criar 500 postos de trabalho.

LAURENT DUBRULE/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A alemã BMW vai estar na cimeira tecnológica Web Summit para contratar para os centros tecnológicos que vai inaugurar na quinta-feira em Lisboa e no Porto, e vão criar 500 postos de trabalho.

Em declarações à agência Lusa, o diretor do departamento de informática do grupo BMW, Klaus Straub, explicou que “cerca de 200 pessoas já trabalham” nos dois centros de ‘software’ e tecnologias de informação agora inaugurados, relativos à ‘joint venture’ Critical TechWorks, sendo esperada a entrada de mais 30 pessoas ainda este ano.

“Para 2019, está projetado um aumento no número de funcionários para um total de pelo menos 500”, acrescentou o responsável, adiantando que, “a longo prazo, é esperado um acréscimo nos colaboradores até um número de quatro dígitos”.

Por essa razão, a BMW e a Critical Software – parceira na iniciativa – vão aproveitar a Web Summit na quinta-feira para “apresentar a Critical TechWorks” aos interessados e para lhes proporcionar “a oportunidade de se candidatarem a uma entrevista ‘in loco'”.

Para isso, haverá “um concurso de programação”, sendo que “os candidatos que impressionarem com as suas capacidades […] receberão uma entrevista de emprego no local”, notou Klaus Straub.

Aos funcionários da Critical TechWorks caberá criar “soluções de entretenimento para o carro e serviços digitais num contexto da mobilidade individual, através de sistemas de transporte autónomos”, ao mesmo tempo que irão produzir e gerir “plataformas digitais de vendas e pós-venda com armazenamento de dados”.

O responsável explicou que, como o objetivo era “começar logo a trabalhar”, a Critical TechWorks já está localizada em “espaços temporários em Lisboa e no Porto”, prevendo “mudar-se para novos escritórios a curto prazo”.

“Em Lisboa, vamos passar em dezembro para um edifício junto a Entrecampos, com 4.000 metros quadrados, enquanto no Porto vamos passar para um escritório com 5.000 metros quadrados no Palácio dos Correios, que está em obras”, precisou.

Questionado sobre o investimento associado, Klaus Straub escusou-se a divulgar “detalhes sobre as relações financeiras com os parceiros”, indicando só que a BWM detém 51% do projeto Critical TechWorks.

Já quanto aos motivos para a localização do projeto em Portugal, o responsável da BMW referiu que “a decisão […] foi tomada independentemente de qualquer subsídio estatal”.

“Portugal oferece as condições ideias”, observou Klaus Straub, aludindo “aos excelentes transportes públicos e boas infraestruturas de telecomunicações”, bem como aos “apoios governamentais ao investimento e à estabilidade regulatória, económica e social”.

Além disso, “todos os anos, milhares de talentos altamente qualificados completam a sua formação em tecnologia nas universidades do país, antes de entrarem em ‘startups’ portuguesas e em empresas consolidadas”, adiantou.

O anúncio oficial do projeto acontece na quinta-feira, na Web Summit, a partir das 09:45 no ‘stand’ da marca.

Na terça-feira, a também alemã Volkswagen inaugurou um projeto semelhante em Lisboa, um novo centro de desenvolvimento de ‘software’ que levará à contratação de 300 especialistas.

Além destas, a Mercedes-Benz vai ter um centro digital a funcionar no Hub Criativo do Beato.

A Web Summit termina na quinta-feira no Altice Arena (antigo Meo Arena) e na Feira Internacional de Lisboa (FIL), sendo esperados mais de 70 mil participantes de 170 países naquela que é a terceira edição de 13 previstas em Lisboa.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)