Estados Unidos da América

Donald Trump demite procurador-geral Jeff Sessions

Presidente pede a demissão do procurador-geral, Jeff Sessions. O procurador era um dos apoiantes mais antigos do Presidente, mas a relação dos dois estava tensa devido à investigação russa.

Getty Images

O Presidente Donald Trump pediu a demissão do seu procurador-geral, Jeff Sessions, esta quarta-feira, um dia depois das eleições intercalares.

A informação foi confirmada pelo próprio no Twitter, que anunciou que o chefe de gabinete de Sessions, Matthew G. Whitaker, ocupará temporariamente o cargo de procurador-geral dos Estados Unidos, até ser nomeado o novo sucessor.

Na carta de demissão, a que o New York Times teve acesso, Sessions confirma que se demite “a pedido do Presidente”. “No meu mandato como procurador-geral, restaurámos e mantivemos o Estado de Direito”, declara o procurador demitido. O vice-procurador-geral, Rod Rosenstein, deverá manter-se no cargo, com a responsabilidade da investigação às suspeitas de conluio com a Rússia, segundo avança a CNN.

Esta investigação é a principal pedra no sapato na relação entre Trump e Sessions. O Presidente nunca gostou do facto de Sessions ter pedido escusa da investigação às ligações da campanha Trump ao Kremlin, passando para Rosenstein, seu vice, a responsabilidade de nomear um conselho especial depois de Trump ter demitido o diretor do FBI, James Comey. “Que tipo de homem é este?”, questionou Trump à altura sobre a decisão de Sessions.

Em março, os dois trocaram novos galhardetes. O Presidente acusou Sessions de “nunca ter assumido o controlo do Departamento da Justiça” e o procurador-geral respondeu à letra: “O Departamento da Justiça não será influenciado de forma imprópria por considerações políticas.”

A decisão de não colocar Rosenstein no lugar de Sessions pode indicar, como aponta o New York Times, que Trump se pode estar a preparar para demitir o procurador-especial Robert Mueller, responsável pela investigação russa — já que a decisão tem de ser tomada pelo procurador-geral em funções e tanto Sessions como Rosenstein tinham afastado essa possibilidade.

Eric Holder, procurador-geral do Presidente Barack Obama, já reagiu a essa possibilidade. “Quem quer que tente interferir ou obstruir o inquérito de Mueller deve ser responsabilizado. Esta é uma linha vermelha”, declarou no Twitter.

Jeff Sessions foi um dos apoiantes mais antigos de Trump na política, tendo sido o primeiro senador a declarar apoio à candidatura do milionário à presidência. Sessions sempre apoiou grande parte das ideias políticas de Trump, defendendo um combate firme à imigração, por exemplo. Contudo, a relação entre os dois acabou por se deteriorar, sobretudo pelo descontentamento do Presidente com a atuação do Departamento da Justiça. Há cerca de um ano, Trump chegou a dizer-se “muito frustrado” por o seu procurador não estar a investigar Hillary Clinton.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbruno@observador.pt
Religião

O Dia Mundial da Religião

Donizete Rodrigues

O Dia Mundial da Religião é um momento ecuménico para promover a convivência, o interconhecimento e o diálogo inter-religioso, buscando um futuro livre de preconceito, discriminação e intolerância.

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)