Rádio Observador

Banco de Portugal

Militares sem remuneração pela segurança ao Banco de Portugal no Carregado

Os militares da unidade de intervenção que asseguram o policiamento nas instalações do Banco de Portugal no Carregado estão sem receber desde janeiro a remuneração pelo serviço.

MÁRIO CRUZ/LUSA

Os militares da unidade de intervenção que asseguram o policiamento nas instalações do Banco de Portugal no Carregado, em Alenquer, estão sem receber desde janeiro a remuneração pelo serviço, denunciou esta quarta-feira a Associação dos Profissionais da GNR (APG).

O presidente da APG, César Nogueira, disse à agência Lusa que, como os militares não estavam a ser pagos de acordo com a tabela em vigor para os serviços remunerados, “pediram esclarecimento ao comando-geral [da GNR] e, em vez de atualizarem a verba pela tabela em vigor, a verba foi suspensa e desde janeiro que não recebem”.

Os atrasos, segundo o dirigente, “estão a trazer constrangimentos”.

Pela tabela em vigor, cuja última atualização foi feita há um ano, estes profissionais teriam direito a receber cerca de 400 euros acrescidos ao salário base.

Aqueles profissionais estavam a ser pagos abaixo desse valor, ao abrigo de um acordo estabelecido em 1995 entre a GNR e o Banco de Portugal, motivo pelo qual a remuneração que vinham a auferir “não era atualizada há mais de 20 anos”.

Se recusarem o serviço, os militares podem ficar sujeito a processo disciplinar pela GNR.

Contactado pela Lusa, o Ministério da Administração Interna esclareceu que “a atividade de proteção das instalações do Banco de Portugal no Carregado carece de ser regulamentada por portaria, que está em fase de resolução”.

“Os militares que ali têm prestado serviço auferiam uma prestação mensal nos termos de um protocolo, que será substituído pela devida portaria”, adiantou o MAI.

Segundo a APG, a tutela prometeu resolver o problema em setembro, o que não aconteceu. Questionado, o MAI não avançou quaisquer prazos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Quando a verdade está a banhos…

Nuno da Costa Nata

Durante a greve dos motoristas, a violação dos mais basilares princípios da construção democrática foi dinamitada por um silêncio cúmplice e ensurdecedor de uma esquerda sedenta de poder.

Política

A sobrevivência do socialismo /premium

André Abrantes Amaral

O socialismo é a protecção de um sector contra os que ficam de fora. O desejo de ordem e a desresponsabilização é natural entre os que querem segurança a todo o custo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)