Santarém

Concerto na igreja da Misericórdia abre sexta-feira Festival de Órgão de Santarém

O Festival de Órgão de Santarém começa sexta-feira à noite com um concerto na igreja da Misericórdia, que juntará a organista e diretora do FÓS, Margarida Oliveira, e o cantor Bruno Nogueira.

Autor
  • Agência Lusa

O Festival de Órgão de Santarém começa sexta-feira à noite com um concerto na igreja da Misericórdia, que juntará a organista e diretora do FÓS, Margarida Oliveira, e o cantor Bruno Nogueira.

Iniciativa da Câmara Municipal, da Diocese e da Santa Casa da Misericórdia de Santarém, com organização do Conservatório de Música e Artes do Centro, o festival visa divulgar os órgãos históricos da cidade.

O centro histórico de Santarém “tem o maior número de órgãos de tubo ibéricos (construídos há mais de 200 anos) em funcionamento” numa área tão circunscrita, restaurados “depois de mais de 100 anos parados”, afirma uma nota da organização.

Alguns têm “uso quase diário com muitos alunos (cerca de 20) que estão a aprender este instrumento musical, mantendo a esperança na valorização de um património musical riquíssimo”, acrescenta.

Para os sábados (dias 10 e 17) à tarde estão agendados dois “passeios musicais pelos órgãos históricos de Santarém”, com o primeiro a convidar a um percurso, com mini-concertos, pelas igrejas de Marvila, Misericórdia e S. Nicolau, e o segundo pelas de Alcáçova, Catedral e Piedade.

No próximo sábado à noite, na igreja de Marvila, acontecerá o primeiro dos dois concertos com a orquestra Bomtempo, sob direção de Cesário Costa, que, nos dois sábados, permitirá a audição integral dos concertos de Michel Corrette e assinalará os 350 anos do nascimento do compositor François Couperin.

A catedral de Santarém receberá no domingo à tarde um concerto com o organista Tiago Ferreira, acompanhado pelo Coro da Lapa, sob direção de Filipe Veríssimo, sendo que a missa dominical de dia 18 será integralmente cantada pelo Coro dos jovens cantores do Schola Cantorum da Catedral de Santarém e acompanhada ao órgão por David Paccetti Correia, com repertório do século XV ao século XXI, sob a direção de Pedro Rodrigues.

No dia 16 à noite, na igreja de S. Nicolau, será possível ouvir o organista escalabitano (atualmente a frequentar o mestrado em performance em Amesterdão, Holanda) Daniel Nunes, acompanhado por Edgar Barbosa (trompa).

O festival encerra no dia 18 à tarde na igreja de Marvila com um concerto-comentado pelo organista espanhol Jesús Gonzalo López.

O festival envolverá no total mais de uma centena de músicos, entre solistas, organistas, orquestras e coros, adianta a nota.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Salazar /premium

Helena Matos

Os actuais líderes não têm discurso, têm sim objectivos: manter-se ou chegar ao poder, através da popularidade e não da política. Logo precisam do passado e de Salazar para falarem de política.

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)