Pedro Sánchez

Detido atirador que queria matar o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez

Foi detido um segurança privado, praticante de tiro, que discordou da ordem de exumação dos restos mortais de Franco e queria vingar-se do primeiro-ministro espanhol. Procurou cúmplices no Whatsapp.

O atirador não se preocupava com a possibilidade de ser capturado e estava disposto "a sacrificar-se por Espanha"

AFP/Getty Images

Os Mossos d’Esquadra, a polícia catalã, capturaram em Terrassa, perto de Barcelona, um vigilante de segurança privada que queria matar o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez. O homem, identificado como Manuel Murillo Sánchez, de 63 anos, e que o jornal espanhol Público refere como “o melhor praticante do clube de tiro olímpico de Vallés”, desejava vingar-se do primeiro-ministro por discordar da ordem de exumação dos restos mortais de Francisco Franco, o ditador espanhol, sepultado no Vale dos Caídos, na Serra de Guadarrama.

Os Mossos encontraram na casa do atirador um arsenal de 16 armas de fogo, incluindo espingardas de alta precisão – capazes de atingir um alvo a mil metros de distância – e uma metralhadora de assalto. Manuel Sánchez, frequentador de círculos de extrema-direita, disse estar disposto a “sacrificar-se por Espanha” e não ter receio de ser capturado, embora esta tenha sido a primeira vez que se envolveu em atos de violência contra o regime.

O atirador criou uma conversa no WhatsApp, onde estavam mais seis pessoas, em que se mostrava disposto a levar a cabo um ataque armado contra Pedro Sánchez e procurava cúmplices para “acabar com esse vermelho de merda” – para além de pedir ajuda para consultar a agenda oficial do primeiro-ministro, já que “não percebia o suficiente de Internet”. Terá sido uma destas seis pessoas presentes na conversa que, ao aperceber-se da intenção de Manuel Sánchez de matar o primeiro-ministro, alertou as autoridades. O atirador foi detido há cerca de três semanas, confessou a vontade de assassinar Pedro Sánchez e encontra-se atualmente em prisão preventiva no Centro Penitenciário Brians-2, em Sant Esteve Sesrovires.

Manuel Murillo Sánchez, descrito como um “lobo solitário”, mudava frequentemente de emprego e costumava trabalhar enquanto vigilante de grandes superfícies comerciais ou parques de estacionamento.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Descobrimentos

Uma lança em África /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Neste tempo, em que muitos se orgulham do que os deveria envergonhar, também há quem se envergonhe das glórias da história de Portugal.

Política

Precisamos da Esquerda

António Pedro Barreiro

Na guerra cultural em curso, a nova Esquerda esqueceu o povo e assumiu a defesa da excentricidade das elites. Eu, que não sou de Esquerda, acho que uma outra Esquerda faz falta ao sistema político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)