Tesla

Elon Musk substituído por Robyn Denholm na presidência do Conselho de Administração da Tesla

Depois de os reguladores financeiros norte-americanos terem acusado Elon Musk de fraude, o milionário vai ser substituído no cargo de presidente do Conselho de Administração por Robyn Denholm.

Robyn Denholm é a partir desta quarta-feira a nova presidente do Conselho de Administração da Tesla

Tesla

Robyn Denholm é, desde esta quarta-feira, a nova presidente do Conselho de Administração da Tesla depois de Elon Musk ter de renunciar ao cargo que ocupava desde 2004, noticiou a Bloomberg. Musk poderá continuar como membro do conselho e como diretor executivo.

A atual diretora de operações da Telstra, uma empresa de telecomunicações australiana, deverá assumir o cargo de presidente do Conselho de Administração da Tesla a tempo inteiro dentro de seis meses, depois de expirado o prazo de notificação à empresa australiana. Robyn Denholm ocupa o cargo na Telstra desde janeiro de 2017 e é membro do Conselho de Administração da Tesla desde 2014.

Acredito nesta empresa, acredito na missão e estou ansiosa por ajudar Elon e a equipa da Tesla a atingir uma rentabilidade sustentável e impulsionar o valor do acionista de longo prazo”, disse Robyn Denholm, citada pela Bloomberg.

Elon Musk defende a escolha afirmando que Robyn Denholm tem uma vasta experiência em empresas automóveis e de tecnologia. “Ela fez contribuições importantes enquanto membro do Conselho de Administração da Tesla nos últimos quatro anos ao ajudar-nos a tornar a empresa rentável”, disse Elon Musk, citado pela Bloomberg. Denholm desempenhou cargos financeiros na Toyota Motor Corporation durante sete anos (entre 1989 e 1996), teve vários cargos na Sun Microsystems, um fabricante de computadores, durante onze anos (até 2007) e, até 2016, foi diretora financeira da Juniper Networks, uma empresa de tecnologia.

Robyn Denholm vai ocupar o cargo depois de Elon Musk ter sido obrigado a deixar o lugar. A renúncia ao cargo acontece depois de a comissão de valores mobiliários e ações norte-americana (SEC) ter acusado Elon Musk de ter mentido ao afirmar no Twitter, a 7 de agosto, que tinha comprador para a Tesla — fazendo subir as ações da empresa. Na altura, a SEC acusou Musk de fraude e pediu que fosse “proibido de exercer o cargo” de administrador na Tesla.

A SEC impôs também outras condições à Tesla, incluindo dois novos diretores independentes no Conselho de Administração até dezembro, um controlo das comunicações feitas por Elon Musk — incluindo no Twitter — e um advogado que reveja as mensagens divulgadas nas redes sociais por aqueles que ocupam os cargos mais altos na empresa.

O Conselho de Administração, composto por nove membros, tem sido alvo de críticas por falta de independência, por os seus membros terem ligações próximas a Elon Musk. Um dos membros é irmão do milionário, outros são investidores ou diretores da SpaceX, a empresa dedicada a sistemas aeroespaciais criada por Elon Musk.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)