Crime

Empresário russo procurado pela Interpol tem um visto gold por ter comprado casas em Portugal

Valeriy Panov é procurado por uma alegada conspiração para matar um político. Está há 3 anos refugiado na Alemanha, com medo de ser apanhado. Se vier a Portugal, onde tem casa, pode ser preso.

Valeriy Panov, um empresário russo procurado pela Interpol

Há cerca de 3 anos que Valeriy Panov, um empresário russo, vive refugiado na Alemanha e não sai do país com medo de ser detido e extraditado. O empresário é procurado pela Interpol e tem um visto gold em Portugal, conseguido graças à compra de imóveis, segundo a edição impressa da Sábado.

Valeriy tem um alerta vermelho no sistema da Interpol desde 2015 pelas autoridades russas: a Rússia quer localizá-lo e extraditá-lo porque o considera suspeito da prática de vários crimes financeiros que terão ocorrido naquele país em 2012 e de uma alegada tentativa de contratação de assassinos profissionais para matar um vice-governador da cidade onde nasceu, nos Montes Urais.

Valeriy Panov e a mulher, Galina Panov, compraram dois apartamentos de luxo em Cascais, sendo que um dos investimentos foi de 550 mil euros, e têm vistos de residência em Portugal, o que os fez passar a integrar as estatísticas oficiais do regime de Autorização de Residência para Atividade de Investimento (ARI). Ao todo, já há registo de 228 casos entre outubro de 2012 e 30 de setembro de 2018. Caso venha a Portugal, o empresário pode ser detido. Agora o Ministério Público alemão pede esclarecimentos à Rússia, opondo-se à extradição, e Valeriy Panov continua sob vigilância dos serviços secretos russos.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)