Festivais

Festival MUVI abre hoje edição de despedida de Lisboa para rumar a Almada em 2019

O MUVI - Festival Internacional de Música no Cinema vai exibir em Lisboa "Meu Caro Amigo Chico", de Joana Barra Vaz, e "Heavy Metal Portugal - O Documentário", de João Mendes.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O MUVI – Festival Internacional de Música no Cinema abre esta quinta-feira uma edição de despedida de Lisboa, com a exibição de “Meu Caro Amigo Chico”, de Joana Barra Vaz, e “Heavy Metal Portugal – O Documentário”, de João Mendes.

O festival muda-se em 2019 para Almada, mas antes faz uma edição de balanço, só com produções portuguesas, que decorre até domingo, no Cinema São Jorge, e que mostrará “alguns dos filmes mais emblemáticos”, exibidos ao longo dos anos, “sempre com a presença de realizadores e alguns amigos bem conhecidos do meio musical”, como adiantou em comunicado.

A edição seguinte do MUVI, o festival português dedicado em exclusivo ao cinema sobre música, decorrerá de 21 de fevereiro a 3 de março de 2019, em Almada, com local ainda a anunciar. Em Lisboa, na edição de balanço e sem qualquer competição, o MUVI apresentará 11 documentários, a maioria já exibidos em edições anteriores, embora haja algumas estreias.

É o caso de “Heavy Metal Portugal – O Documentário”, de João Mendes, que será exibido esta quinta-feira à noite, segundo a programação, que é considerado o primeiro filme documental sobre o heavy metal português, com testemunhos de vários grupos, em particular dos Moonspell.

“Este filme surgiu muito para não se perder a memória destas bandas e das pessoas envolvidas. Foi muito nesta linha e com o poder de ir buscar o máximo de testemunhas possíveis destas pessoas. Este estilo de música é um nicho e ficou um bocado negligenciado”, contou João Mendes à agência Lusa no início de outubro.

Outra das estreias no MUVI será “Sarapanta”, documentário contemplativo do jornalista Cristiano Pereira (que assina como Cristiano Saturno), rodado no Alasca, onde esteve a filmar auroras boreais.

No MUVI será possível recordar, entre outros, “Meu Caro Amigo Chico”, filme de Joana Barra Vaz sobre Portugal, a partir de uma música de Chico Buarque, com a participação de vários músicos portugueses. O filme abre esta quinta-feira o festival, com a exibição marcada para as 18h30.

A este documentário junta-se, entre outros, “A sétima vida de Gualdino”, de Filipe Araújo, sobre o baterista Gualdino Barros, “Pontas Soltas”, de Ricardo Oliveira, sobre o processo de gravação de um álbum dos Capitão Fausto, e “Auto Rádio”, de Gonçalo Pôla, sobre a digressão do álbum homónimo de Benjamim.

Será ainda possível recordar dois nomes da música portuguesa que morreram recentemente: a fadista Celeste Rodrigues, com o filme “Celeste”, de Diogo Varela Silva, e o guitarrista Filipe Mendes, com “Phil Mendrix”, de Paulo Abreu.

A sessão de encerramento do MUVI lisboeta será com “Farewell”, de Ricardo Clara Couto e Rui Portulez, documentário sobre a primeira década dos portugueses Sean Riley & The Slowriders. Durante o MUVI estarão patentes, no São Jorge, as exposições “Caminhos de Ser Feliz”, de Ana Cláudia Silva, e “The Road”, de Graziela Costa.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)