Festivais

Festival MUVI abre hoje edição de despedida de Lisboa para rumar a Almada em 2019

O MUVI - Festival Internacional de Música no Cinema vai exibir em Lisboa "Meu Caro Amigo Chico", de Joana Barra Vaz, e "Heavy Metal Portugal - O Documentário", de João Mendes.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O MUVI – Festival Internacional de Música no Cinema abre esta quinta-feira uma edição de despedida de Lisboa, com a exibição de “Meu Caro Amigo Chico”, de Joana Barra Vaz, e “Heavy Metal Portugal – O Documentário”, de João Mendes.

O festival muda-se em 2019 para Almada, mas antes faz uma edição de balanço, só com produções portuguesas, que decorre até domingo, no Cinema São Jorge, e que mostrará “alguns dos filmes mais emblemáticos”, exibidos ao longo dos anos, “sempre com a presença de realizadores e alguns amigos bem conhecidos do meio musical”, como adiantou em comunicado.

A edição seguinte do MUVI, o festival português dedicado em exclusivo ao cinema sobre música, decorrerá de 21 de fevereiro a 3 de março de 2019, em Almada, com local ainda a anunciar. Em Lisboa, na edição de balanço e sem qualquer competição, o MUVI apresentará 11 documentários, a maioria já exibidos em edições anteriores, embora haja algumas estreias.

É o caso de “Heavy Metal Portugal – O Documentário”, de João Mendes, que será exibido esta quinta-feira à noite, segundo a programação, que é considerado o primeiro filme documental sobre o heavy metal português, com testemunhos de vários grupos, em particular dos Moonspell.

“Este filme surgiu muito para não se perder a memória destas bandas e das pessoas envolvidas. Foi muito nesta linha e com o poder de ir buscar o máximo de testemunhas possíveis destas pessoas. Este estilo de música é um nicho e ficou um bocado negligenciado”, contou João Mendes à agência Lusa no início de outubro.

Outra das estreias no MUVI será “Sarapanta”, documentário contemplativo do jornalista Cristiano Pereira (que assina como Cristiano Saturno), rodado no Alasca, onde esteve a filmar auroras boreais.

No MUVI será possível recordar, entre outros, “Meu Caro Amigo Chico”, filme de Joana Barra Vaz sobre Portugal, a partir de uma música de Chico Buarque, com a participação de vários músicos portugueses. O filme abre esta quinta-feira o festival, com a exibição marcada para as 18h30.

A este documentário junta-se, entre outros, “A sétima vida de Gualdino”, de Filipe Araújo, sobre o baterista Gualdino Barros, “Pontas Soltas”, de Ricardo Oliveira, sobre o processo de gravação de um álbum dos Capitão Fausto, e “Auto Rádio”, de Gonçalo Pôla, sobre a digressão do álbum homónimo de Benjamim.

Será ainda possível recordar dois nomes da música portuguesa que morreram recentemente: a fadista Celeste Rodrigues, com o filme “Celeste”, de Diogo Varela Silva, e o guitarrista Filipe Mendes, com “Phil Mendrix”, de Paulo Abreu.

A sessão de encerramento do MUVI lisboeta será com “Farewell”, de Ricardo Clara Couto e Rui Portulez, documentário sobre a primeira década dos portugueses Sean Riley & The Slowriders. Durante o MUVI estarão patentes, no São Jorge, as exposições “Caminhos de Ser Feliz”, de Ana Cláudia Silva, e “The Road”, de Graziela Costa.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)