Seleção Nacional

José Fonte, Raphael Guerreiro, André Gomes e João Mário regressam aos convocados da Seleção

Fernando Santos anunciou esta quinta-feira os convocados de Portugal para os dois últimos jogos na Liga das Nações, frente a Itália e Polónia. Ronaldo continua de fora e há quatro regressos na lista.

Fernando Santos soma por triunfos os dois jogos realizados na Liga das Nações e está perto de garantir apuramento para fase final

RODRIGO ANTUNES/EPA

Fernando Santos divulgou esta quinta-feira na Cidade do Futebol os convocados da Seleção Nacional para os últimos dois encontros da fase de grupos da Liga das Nações, com a Itália (dia 17, 19h45, em Milão) e a Polónia (dia 20, 19h45, em Guimarães). Numa lista que voltou a não contar com Cristiano Ronaldo – que tinha definido com o selecionador e a Federação regressar apenas aos compromissos nacionais em 2019, apesar das notícias na imprensa italiana que davam conta da possibilidade de defrontar a formação transalpina –, os regressos de José Fonte, André Gomes, João Mário e Raphael Guerreiro (todos eles campeões europeus em 2016) foram as grandes surpresas entre os 25 eleitos.

Em relação à última convocatória, e para as entradas destas quatro novidades, saíram os defesas Kevin Rodrigues (Real Sociedad) e Pedro Mendes (Montpellier); o médio Gedson Fernandes (Benfica); e o avançado Hélder Costa (Wolverhampton). Ainda chegou a ser noticiada a convocatória de Daniel Carriço, jogador do Sevilha, mas o central figurava apenas na habitual lista de pré-convocados. Assim, a lista de 25 convocados para o duplo confronto que encerra a Liga das Nações é a seguinte:

Guarda-redes: Beto (Goztepe), Cláudio Ramos (Tondela) e Rui Patrício (Wolverhampton)

Defesas: Cédric Soares (Southampton), João Cancelo (Juventus), José Fonte (Lille), Luís Neto (Zenit), Pepe (Besiktas), Rúben Dias (Benfica), Mário Rui (Nápoles) e Raphael Guerreiro (B. Dortmund)

Médios: André Gomes (Everton), Bruno Fernandes (Sporting), Danilo Pereira (FC Porto), João Mário (Inter), Pizzi (Benfica), Renato Sanches (Bayern), Rúben Neves (Wolverhampton) e William Carvalho (Bétis)

Avançados: André Silva (Sevilha), Bernardo Silva (Manchester City), Bruma (RB Leipzig), Éder (Lokomotiv Moscovo), Rafa (Benfica) e Gonçalo Guedes (Valência)

Nesta fase, Portugal soma por vitórias os dois encontros realizados na Liga das Nações, na receção à Itália (1-0) e na deslocação à Polónia. Assim, a Seleção Nacional necessita de um de dois cenários para garantir o apuramento para a fase final da prova: pontuar na partida em San Siro, frente aos transalpinos, ou vencer o jogo com a Polónia em Guimarães. Curiosamente, ainda não há nenhuma seleção apurada para a Final Four, o que evidencia o equilíbrio nos quatro grupos da Liga A.

André Silva apontou assim o único golo no triunfo de Portugal frente à Itália na abertura da Liga das Nações (Claudio Villa/Getty Images)

“Ninguém está excluído da Seleção Nacional. O futuro dirá o que vai acontecer porque é uma evolução natural e não vale a pena fazer previsões. Não tenho o dom da adivinhação, não sei quem vão ser os jogadores presentes em março”, referiu o selecionador nacional em relação às entradas e saídas na lista de convocados, aproveitando ainda para dar os parabéns a Vítor Pereira (que foi campeão na China) e Pedro Caixinha (que venceu a Taça do México).

Já sobre Cristiano Ronaldo, que continua fora das convocatórias da Seleção, Fernando Santos fez apenas um comentário… e que passou ao lado deste contexto. “A única coisa que acho é que merece ganhar a Bola de Ouro. Tem todo o mérito e justiça… Aliás, será uma injustiça se não ganhar. O resto não é importante”, sublinhou.

“Portugal sempre jogou para ganhar e não podemos pensar de outra maneira. É proibido pensar que temos dois jogos para resolver a questão, se vamos a pensar num empate corremos o risco de tornar o jogo da Polónia decisivo. Vamos procurar carimbar já o apuramento com a Itália, tendo em conta que vamos defrontar uma grande equipa com o mesmo objetivo que nós e que vai agarrar-se a isso para fazer um bom jogo. É de top mundial e em casa é sempre favorita, por isso tenho a certeza que vai ser um grande jogo”, destacou a propósito do encontro com a Itália de dia 17, prosseguindo: “Artilharia pesada? A equipa respondeu muito bem nos últimos jogos que realizámos e espero que continuem a manter a mesma capacidade com estes jogadores que chamei. No geral estou muito satisfeito com o comportamento deles”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)