Manifestações

Centenas de funcionários de empresas de limpeza manifestaram-se em Lisboa

Centenas de funcionários de empresas de limpeza de norte e sul do país manifestaram-se esta tarde contra aquilo que consideram ser a "mentira" da caducidade do contrato coletivo do setor.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Centenas de funcionários de empresas de limpeza de norte e sul do país manifestaram-se esta tarde junto à Associação Portuguesa de Facility Services (APFS) contra aquilo que consideram ser a “mentira” da caducidade do contrato coletivo do setor.

“É uma grande mentira, o nosso contrato continua ativo, o próprio tribunal não consegue dizer que o nosso contrato está caducado por isso, e pelas horas noturnas que também não são pagas, estamos em luta. Não vamos parar porque não podemos parar”, afirmou Adozinda Oliveira, funcionária do Hospital de Guimarães há 26 anos.

A concentração dos funcionários de limpeza teve início às 14h00 junto à rotunda do Marquês de Pombal, em Lisboa, e os manifestantes iniciaram uma marcha de cerca de 15 minutos até à APFS entoando algumas palavras de ordem contra a associação.

“Trabalho digno sim, exploração não” e “patrão escuta, trabalhadores estão em luta” foram duas das frases mais ditas pelos manifestantes que desceram parte da Avenida da Liberdade sob ameaça de chuva que, garantiram, “não os impediria”.

Frente à APFS marcaram presença também a coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, o deputado José Soeiro (BE) e o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, “solidários” com aquilo que consideraram ser uma “luta justíssima”.

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, afirmou ser “inadmissível” que a associação patronal tivesse anunciado a caducidade do contrato coletivo de trabalho, alertando para que que esta luta “sirva de exemplo ao Governo”.

“O que é que a associação patronal quer? Que as trabalhadoras fiquem abaixo do salário mínimo nacional? Quer negociar ainda valores inferiores ao pouco que já recebem? Este exemplo do que se está a passar na limpeza deve ser tido em consideração pelo Governo e a primeira conclusão a que pode chegar é que a proposta que apresentou na Assembleia da República e que mantém a caducidade, nomeadamente da contratação coletiva, deve ser erradicado”, afirmou.

Também o deputado do BE José Soeiro defendeu que a caducidade da contratação coletiva deve “acabar”.

“Estamos a lutar também na Assembleia da República para acabar com a caducidade da contratação coletiva, ou seja, para impedir que uma associação patronal possa de uma forma unilateral fazer caducar um contrato e fazer suceder a esse contrato um vazio em termos dos direitos dos trabalhadores”, disse.

Madalena Machado, uma das manifestantes que se deslocou de Coimbra, onde trabalha na limpeza dos Hospitais da Universidade de Coimbra, a Lisboa para participar na manifestação disse ser “impossível fazer face à vida hoje em dia com o ordenado mínimo”.

“Estamos a fazer esta luta, a manifestação e a greve nos locais de trabalho, para que a gente consiga o nosso contrato de trabalho assinado porque tínhamos um contrato de trabalho que dizem que está caducado e não está. Queremos que seja assinado o contrato de trabalho para que aumentem os salários, temos um subsídio de alimentação de 1,90 euros que é uma vergonha”, afirmou.

Num comunicado emitido na quinta-feira, a APFS reafirmou que o contrato coletivo de trabalho (CCT) celebrado em 2004 com o Sindicato dos Trabalhadores de Limpeza e Atividades Diversas (STAD) “está caducado”.

O STAD reivindica aumentos salariais que permitam fixar as remunerações nos 650 euros e um subsídio de refeição de cinco euros por dia.

Este setor emprega mais de 35 mil trabalhadores, em mais de uma centena de empresas.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)