Cinema

Documentário sobre heavy metal em Portugal apresentado em Lisboa com casa cheia

158

Cerca de 350 pessoas assistiram à apresentação de “Heavy Metal Portugal”. A viúva de Phil Mendrix esteve presente e deixou um apelo: "Continuem a tocar e a acreditar que a vossa música é cultura".

Os Tarântula, fundados em 1985, são uma das bandas cuja história é retratada em "Heavy Metal Portugal"

facebook.com/TUGAGESSO/

As salas 2 e 3 do Cinema São Jorge encheram para a apresentação de “Heavy Metal Portugal”, o primeiro documentário sobre a história do heavy metal português. Segundo revelou a organização do MUVI ao Observador, as duas sessões do filme receberam cerca de 350 espectadores, um número inédito no festival internacional de música no cinema.

Inicialmente, foram apenas colocados à venda bilhetes para a sala 3 do cinema lisboeta, com capacidade para 200 pessoas. Mas a grande a grande procura levou o MUVI a optar por abrir uma segunda sala, mais pequena, e disponibilizar mais entradas. As duas sessões começaram com 15 minutos de diferença depois de uma pequena apresentação, a cargo do produtor João Mendes, e terminaram com uma sessão de perguntas e respostas.

Com cerca de hora e meia de duração, “Heavy Metal Portugal — O Documentário” inclui o testemunho de mais de uma centena de intervenientes — músicos, produtores e divulgadores, que contribuíram de alguma forma para o desenvolvimento do género musical e de todas as suas vertentes em solo nacional, desde as primeiras bandas de rock mais pesado, no final dos anos 60, até à atualidade.

Além de ser o primeiro documentário do género, é também a primeira tentativa de documentar exaustivamente a história do heavy metal português. Demorou seis anos a ser concluído e apenas uma pequena parte do imenso material que João Mendes reuniu durante esse período foi incluída no produto final, apresentado esta quinta-feira em Lisboa. Quem esteve presente nas sessão sabe disso e, na sala 2, onde foram reunidos os jornalistas, houve quem perguntasse quando sairia a segunda parte do documentário.

O produtor apressou-se a afastar essa hipótese, garantindo que, para ele, a epopeia que levou à conclusão de “Heavy Metal Portugal” termina aqui: “Tenho terabytes e terabytes de horas filmadas com muitos intervenientes, mas não [quero fazê-lo] neste momento. Tenho três documentários escritos, completamente diferentes disto, mas há alturas em que é preciso parar e avaliar o que vais fazer a seguir. Não te podes mandar de cabeça. Não é falta de vontade, mas as coisas tem de ser pensadas”, afirmou, lembrando que passou um longo período de tempo a trabalhar em “Heavy Metal Portugal”.

Espera-se, no entanto, que o filme continue a ser apresentado noutros pontos do país. Está ainda por confirmar a data e o local da sessão do Porto e, no início de 2019, haverá uma apresentação em Almada. A primeira, de pré-lançamento, aconteceu a 6 de outubro na terra-natal de Mendes, em Santo Tirso, onde foram realizadas muitas das entrevistas que aparecem na longa-metragem, como o próprio contou em entrevista ao Observador, no mês passado.

“Quero que continuem a tocar e a acreditar que a vossa música também é cultura”

A viúva do guitarrista português Phil Mendrix, um dos cerca de 130 entrevistados para o documentário e o primeiro a aparecer, assistiu a uma das sessões desta quinta-feira. No final, fez um emotivo discurso de agradecimento, em que falou da importância da música, “a melhor coisa do mundo”, desejando “muita sorte” a todos os músicos presentes na plateia. Phil Mendrix, lenda do rock português, morreu em agosto passado aos 70 anos.

“Desejo-vos muita sorte. A música é uma coisa muito importante, que eu vivi com um homem que lhe dedicou a vida inteira”, afirmou. “Morreu a tocar guitarra. O meu Filipe, antes de partir, os dedos dele, mesmo com a morfina a correr, tocaram sempre guitarra. Para vocês todos um grande bem-haja e força, porque a música é a melhor coisa do mundo, porque ela voa nas ondas hertzianas. E eu sei que não é fácil, eu sei o que é viver da música. O meu marido era músico profissional e era uma pessoa que nunca se rendeu, nunca se vendeu. Ate à última. Isso trouxe-nos alguns dissabores, às vezes tínhamos de fazer contas para isto e para aqui, mas a música estava acima de tudo. Quero que vocês sejam todos muito felizes e que continuem a tocar e acreditar que a vossa música também é cultura. Underground ou não, ela está cá.”

O MUVI vai exibir no sábado, pelas 18h30, o documentário de Paulo Abreu sobre Phil Mendrix, uma iniciativa que pretende celebrar a vida e obra de “um dos melhores guitarristas de sempre”, nas palavras da organização. O filme, que tem gravações que remontam ao início dos anos 90, acaba também por retratar os primórdios do rock português, “o modo como foi explorado pelas bandas” em Portugal e o papel de grande relevo desempenhado por Mendrix durante esse período.

O festival internacional de música no cinema arrancou esta quinta-feira à noite e decorre até domingo, no São Jorge, em Lisboa. Os bilhetes estão à venda na bilheteira do cinema, na Avenida da Liberdade, na FNAC e na Tickeline. Custam 4 euros. O cartaz completo por ser visto aqui.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)